CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SÁBADO, 18 DE NOVEMBRO DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
Dodge recorre de decisão que tirou o sigilo da delação de marqueteiro
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / RioPress
  RioPress
 
A chacina de Mesquita: uma tragédia anunciada
Data Publicação:19/09/2012

Por  José Ricardo Rocha Bandeira*

 

Mais uma vez a sociedade acompanha de forma perplexa a noticia de um bárbaro e hediondo crime, em que oito pessoas, sendo seis jovens amigos, foram covardemente assassinados por traficantes da comunidade da Chatuba, no bairro de Mesquita, Baixada Fluminense (RJ).

 

Esses mortos, a partir de agora, fazem parte de mais uma triste estatística do crime e da violência no Rio de janeiro, porém são também vitimas da política de segregação racial da segurança pública no Estado.

 

Todos sabem que com a implantação das famosas e tão divulgadas Upps (unidades de polícia pacificadoras ) o crime esta mudando de região através do êxodo dos traficantes fugitivos das favelas da cidade que vão buscar novo domínio territorial armado em outras comunidades dos municípios vizinhos, comunidades essas que não tem projetos de Upps e nem sequer policiamento estruturado para controlar esta nova realidade urbana.

 

É possível que estas comunidades não tenham Upps nem policiamento estruturado pelo simples fato de não serem as futuras sedes da Copa do Mundo e das Olimpíadas, ou simplesmente por não terem poder aquisitivo ou quantidade significativas de votos, nesses importantes anos pré-eventos esportivos.

 

Mas como explicar essas tecnicidades e complexidades da administração pública da segurança aos familiares e amigos que perderam os seus entes queridos em mais essa chacina? Como explicar também aos moradores dessas localidades os constantes crescimentos nos índices de violência e criminalidade? Talvez a melhor resposta seja o simples silêncio ou atribuir ao acaso os fatos acontecidos.

 

Mesmo sem explicações e mesmo amargando a dor do silencio, é necessário que se tomem medidas para que estes fatos horríveis não voltem a acontecer com mais frequência. É necessário encarar a segurança pública como uma ciência, que de fato é, composta de estudos, planejamentos e estatísticas.

 

Com o advento das ocupações pirotécnicas e carnavalescas das Upps transmitidas em tempo real pelos veículos de comunicações, a sociedade pode presenciar um novo poder, quase paranormal manifestado pelos bandidos destas áreas; o poder do desaparecimento. Assim foi no complexo do alemão, onde centenas de bandidos simplesmente desapareceram e até hoje não foram localizados. Assim foi na Rocinha e também em todas as áreas ocupadas. Restando assim uma nova pergunta: para onde foram esses “mágicos” da criminalidade?

 

Sabemos que antes de se implantar o projeto das Upps, deveria ter sido previsto a migração destes criminosos para as comunidades das facções aliadas e simpatizantes, com um prévio fortalecimento do efetivo dos batalhões e delegacias destas comunidades, visando o não fortalecimento do crime organizado, seguido de um profundo trabalho de inteligência pós ocupação pelas Upps, identificando para quais comunidades os criminosos migraram e também traçando através  da criminologia o perfil destes criminosos, prevendo assim quais crimes e delitos poderiam ser potencializados e em quais regiões, neutralizando de imediato essas ações antes mesmos que pudessem vir a acontecer .

 

Mas infelizmente essas ações não foram realizadas e hoje choramos mais uma tragédia social, que amanhã terá a sua pagina virada e sucumbirá a política em mais esse ano eleitoral, transformando oito pessoas, jovens trabalhadores e estudantes em algumas páginas de um inquérito ou processo arquivado e provavelmente sem solução.

 

*José Ricardo Rocha Bandeira é Comendador, Professor, Perito Judicial, Especialista em psicanálise e criminologia forense e Presidente do Inscrim - Instituto de Criminalística e Ciências Policiais da América Latina. Mais informações, acessar: www.inscrim.org

 





Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Evento em Brasília comemora 10 anos de acesso gratuito ao SBRT
- A chacina de Mesquita: uma tragédia anunciada
- Mês dos Pais: hora de mostrar que aprendeu a economizar
- Mês do Folclore desperta ações no setor hoteleiro
- Faculdade americana oferece cursos de Direito e Administração em língua portuguesa
- Diversos cursos nas áreas de terapias naturais e massoterapia a R$40, cada, no Centro do Rio
- Rede de padarias express Uno&Due inaugura primeira franquia na Barra da Tijuca
- Livro inédito desvenda novos mundos subaquáticos no ramo profissional
- Faculdade americana contrata professores para curso de administração
- Inédito, empresa brasileira fecha museu do Louvre
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.