CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
DOMINGO, 19 DE NOVEMBRO DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
Dodge recorre de decisão que tirou o sigilo da delação de marqueteiro
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Ciência & Saúde
  Ciência & Saúde
 
Cientista russo revela o que ocorre conosco após a morte
Data Publicação:12/07/2017
Yuri Serdiukov é doutor em filosofia e neurocientista com formação na Rússia, país onde nasceu. Por anos, se dedicou à analise de processos psíquicos e fisiológicos da morte clínica.
Por conta desses estudos, Yuri é um dos mais respeitados especialistas da área. E em uma conferência internacional sobre neurofilosofia, que ocorreu na Universidade Estatal de Moscou, ele explicou o que ocorre com nosso cérebro após a morte.
Segundo o cientista, é justamente nesse ponto que nossa experiência de morte se relaciona com a ideia de paraíso e inferno. Após morrermos, nossa atividade cerebral se mantém ativa por tempo indeterminado, explica Yuri.
Assim, nesses estados, o sujeito acaba perdendo sua capacidade lógica e verbal, mergulhando num profundo estado onírico prolongado, que é criado por atividade espontânea de nosso cérebro. Os conteúdos variam de pessoa a pessoa, de acordo com sua condição psíquica.

Por conta disso, afirma ele, certas experiências relatadas por pacientes que chegaram ao estado de quase-morte são relatadas como prazerias e outras como mais obscuras.

O cientista russo ainda afirma que é possível treinar nosso cérebro para termos uma morte prazerosa. Ele ressalta, ainda, que uma vez que não há existência de noção de tempo nesse estado, essa experiência pode parecer infinita.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Cresce a procura por tratamentos homeopáticos no Rio
- Menino de 4 anos com QI de Einstein começou a falar aos dez meses e já leu mais de 600 livros. Sherwyn Sarabi entrou para o 'clube dos superdotados'
- Organismos vivos e suas minúcias
- Moradores nos EUA relatam passagem de bola de fogo na sexta-feira
- Anvisa vai estudar medidas para estimular uso racional de medicamentos
- Estudante de 15 anos é co-autor de estudo sobre evolução de galáxias
- Asteróide passou perto da Terra nesta sexta-feira
- Desmistificando a Hipnose Clínica
- Rio cadastra médicos interessados em participar da Força Estadual de Saúde
- Telescópio da Nasa encontra 1º planeta habitável
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.