CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 19 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bolsonaro afirma que não irá participar de debates no segundo turno
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Ciência & Saúde
  Ciência & Saúde
 
Pessoas inteligentes têm menos amigos, revela nova pesquisa; entenda por quê
Data Publicação:25/07/2018
Você possui poucos amigos? Essa pode ser uma boa notícia para sua inteligência. Um estudo realizado por psicólogos evolucionistas da London School of Economics e da Universidade de Singapura descobriu que quanto mais as pessoas inteligentes precisam socializar, menos satisfeitas elas se mostram com a vida.

Em testes realizados com 15 mil pessoas com idade entre 18 e 29 anos, os pesquisadores entrevistaram os voluntários sobre a felicidade. Eles também analisaram informações de densidade populacional dos locais onde essas pessoas viviam e a frequência com que interagiam com amigos.

Os resultados mostraram que pessoas com QI alto não se sentem menos felizes quando moram em um local com densidade demográfica baixa, e que para essas pessoas é mais satisfatório não socializar com as pessoas. “O efeito da densidade populacional na satisfação com a vida era mais de duas vezes maior para os indivíduos de baixo QI do que para os indivíduos com QI mais alto. E indivíduos mais inteligentes eram, na verdade, menos satisfeitos com a vida se socializavam com seus amigos com mais frequência”, explicam os pesquisadores.

O estudo se baseou na tese da savana, proposta em 2004 por Satoshi Kanazawa, um dos responsáveis pela nova pesquisa, que diz que os ancestrais que viviam na savana africana eram obrigados a ser sociáveis para sobreviver a um ambiente hostil e que, por herança ancestral, a maior parte das pessoas se sente feliz quando vive em lugares com menor densidade demográfica e convive mais com amigos e familiares.

Para Kanazawa e e Norman Li, co-autor do trabalho, as pessoas que são consideradas gênios possuem um cérebro mais evoluído, o que os ajuda a viver melhor e enfrentar os desafios da vida atual. Por esse motivo, eles estão mais propensos a sofrer conflitos entre buscar objetivos maiores e se prenderem ao passado.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Palestra gratuita no RJ sobre Barras de Access ensina a trabalhar os 32 pontos energéticos e superar limitações
- 26 planos de saúde de 11 operadoras são suspensos no país; saiba quais são
- Brasileiros podem ser atendidos de graça em hospitais de três países; confira
- Por que pular corda une diversão e vida saudável
- Pessoas inteligentes têm menos amigos, revela nova pesquisa; entenda por quê
- Expectativa de vida humana máxima pode não ter sido atingida ainda
- Segundo estudo, pessoas que tomam café e cerveja possuem mais chance de viver até os 90 anos
- Anvisa suspende três medicamentos por irregularidades
- Vacinação contra a gripe começa em todo o país nesta segunda-feira
- Médicos encontram novo órgão no corpo humano por acidente
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.