CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 23 DE FEVEREIRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Agência de classificação de risco Fitch rebaixa nota de crédito do Brasil
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
ANÁLISE: Muito mais do que os 12,3 milhões de desempregados
Data Publicação:23/02/2018
A taxa de desemprego recorde de 11,8% do fim do ano passado esconde números muito mais perversos. Além do contingente de 12,3 milhões de desempregados, há outros 14 milhões que trabalham menos do que gostariam. São, ao todo, 26,4 milhões de brasileiros que não conseguem ser aproveitados pelo mercado de trabalho.

E, pela primeira vez, o IBGE mediu o tamanho do desalento: 4,3 milhões de brasileiros simplesmente desistiram. Nem tentam procurar emprego. Ou porque já estavam buscando há muito tempo, sem sucesso. Ou porque são jovens demais, idosos demais ou moram longe demais e sabem que o empregador, com tanta gente concorrendo em condições mais vantajosas, dificilmente lhes dará uma chance.

O desemprego, todos os analistas não cansam de repetir, é o último indicador a reagir quando a economia volta a crescer. Na semana que vem, o IBGE divulgará o resultado do PIB em 2017, e a estimativa é de alta perto de 1%. E, mesmo quando o emprego volta a crescer, muitos dos que deixaram o mercado simplesmente não voltam. As primeiras vagas se abrem para quem é mais “competitivo”: está mais instruído, está disposto a receber menos, tem a idade certa, mora perto do trabalho.

Quanto mais longa uma crise — e a recessão brasileira durou 11 trimestres — mais difícil fica a reinserção de quem perdeu o emprego.

Outra pesquisa do IBGE, também divulgada nesta sexta-feira, reflete os efeitos dramáticos do desemprego. A inflação medida pelo IPCA-15 subiu só 0,38% em fevereiro — no menor resultado para o mês em 18 anos. Todas as famílias sabem: fevereiro é o mês das mensalidades escolares pesarem, e muito, no bolso. Mas, em 2018, pela primeira vez em sete anos, o reajuste das mensalidades ficou abaixo de 6%.

Ou seja, até a educação, que está entre as prioridades das famílias, sofreu com o aperto no orçamento. Muitos trocaram a escola particular pela pública. Ou o colégio caro pelo barato. E as instituições não tiveram outra opção a não ser segurar os reajustes.

O alento é que a educação é um dos itens centrais dos preços dos serviços, que tradicionalmente sobem acima da média da inflação. Este ano, porém, a previsão é que os serviços tenham alta menor, facilitando a manutenção de um patamar de juros baixos pelo Banco Central, o que trará alívio para o orçamento das famílias e, consequentemente, abrirá espaço para o consumo — mantendo, assim, a engrenagem do crescimento econômico que finalmente voltou a funcionar.


Fonte:oglobo.globo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Ar-condicionado vira símbolo da classe média ascendente
- Em meio aos fracassos da TV aberta, TV paga cresce 11,31%
- Demanda de energia cresce em todo país
- Investimento das empresas cresce 16% em 2013
- Financiamento com poupança bate recorde
- Clientes da Caixa podem requerer saldo
- Maioria quer consumir produtos inovadores
- Pedidos de falência caem no Brasil
- Juros do cheque especial e empréstimo pessoal recuaram
- Nova tabela do IPRF entra em vigor
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.