CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUARTA-FEIRA, 17 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Parte do PT está "se lixando" para Haddad, diz Cid Gomes
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
Banqueiro vê rali no mercado mesmo se Haddad ganhar eleições
Data Publicação:03/10/2018
Os mercados financeiros acabarão “abraçando" até mesmo o candidato do PT à presidência da República, Fernando Haddad, se ele ganhar as eleições presidenciais, e a Bolsa de Valores pode ter uma alta de mais 10 porcento, segundo o banqueiro Ricardo Lacerda. “Hoje, evidentemente, existe uma história contra o PT no meio empresarial e financeiro," disse Larcerda, fundador e presidente do BR Partners, uma butique de banco de investimento no país. “Mas em determinado momento você tem que viver e jogar o jogo com as cartas que estão na mesa."

Lacerda, que já dirigiu a área de banco de investimento no Brasil do Citigroup e do Goldman Sachs Group, disse que vê uma chance de 70 porcento de que Haddad e o candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro cheguem ao segundo turno em 28 de outubro depois da votação inicial de domingo. Os mercados financeiros já estão mostrando otimismo desde meados do mês passado porque nem Haddad nem Bolsonaro “vão representar essa ruptura que se imaginou," apesar de não serem os preferidos do mercado, segundo Lacerda, que apóia o banqueiro João Amoêdo, o candidato do Novo Partido.

"Se você olhar para as taxas de juros, os mercados de ações ou de câmbio, esse rali de alívio já é muito claro, mesmo com algumas pesquisas mostrando Haddad como vencedor no segundo turno", disse Lacerda.

A última pesquisa de opinião do Ibope mostrou um impulso significativo do Bolsonaro, que subiu quatro pontos, para 31 porcento. Haddad ficou em segundo lugar, com 21 porcento. Amoêdo, o candidato apoiado por Lacerda, tinha 3 porcento. O Ibovespa na terça-feira teve a maior alta desde novembro de 2016 com os mercados passando a apostar que Haddad deve perder.

A moeda do Brasil poderia se fortalecer para R$ 3,80 por dólar, depois de atingir R$ 4,21 em 13 de setembro, disse Lacerda. O Ibovespa teria um potencial de alta de mais 10 porcento depois do avanço de mais de 8 porcento desde meados do mês passado.

Os mercados ainda estão apoiando Bolsonaro, Lacerda disse. Uma pesquisa informal feita pela Bloomberg no mês passado revelou que muitos banqueiros consideram a vitória de Haddad como o pior cenário para os mercados, porque seu partido apóia mais impostos para os ricos e para os bancos que não cortarem os juros cobrados nos empréstimos.

Mas Lacerda disse que, embora Haddad seja do mesmo partido que a ex-presidenta Dilma Rousseff - que sofreu impeachment em 2016 -, o candidato do PT é “uma pessoa ponderada, mais aberto ao diálogo e um político experiente”. Em São Paulo, Haddad “não fez uma má gestão" como prefeito e tomou várias medidas para limpar o orçamento da cidade, disse Lacerda. O PT, no entanto, é um partido "desgastado, responsável pelo caos econômico em que vivemos hoje no Brasil".

Como prefeito da maior cidade do país, Haddad manteve orçamentos equilibrados, adotou medidas impopulares de aumento de tarifas de ônibus e obteve o grau de investimento para São Paulo.

O PT, no entanto, representa mais intervenção do Estado na economia, disse Lacerda. “É preciso conter esse movimento estatista no Brasil e eu acho que o partido mais limpo, mais propositivo, mais objetivo que tem feito isso é o Partido Novo na figura do João Amoêdo," disse Lacerda.

Para o banqueiro, “o Estado brasileiro hoje é 40 porcento da economia, é de uma ineficiência que eu não preciso dizer aqui, todo mundo conhece, e continua crescendo, comendo toda a economia brasileira e todos aqueles que trabalham".

O banqueiro rejeita a pressão de partidários de Bolsonaro para que os eleitores do Novo Partido pratiquem o voto útil em Bolsonaro no primeiro turno para evitar um retorno do PT.

“Eu não vejo nenhuma possibilidade de votar útil e acho que esse bulling é muito deselegante e típico de quem está acostumado a posturas autoritárias," disse Lacerda.

Bolsonaro não tem “a experiência ou o equilíbrio emocional necessário a um presidente", Lacerda disse. Seu assessor econômico, Paulo Guedes, é “um economista brilhante, uma pessoa com uma visão muito lúcida, mas sem experiência nenhuma com execução."

Segundo Lacerda, Guedes “não é uma pessoa que participou de governos, ou que conduziu grandes corporações, e portanto não tem ideia dos desafios de costurar um acordo no Congresso, de implementar uma política econômica adequada." Algumas das propostas de Guedes são também “muito superficiais", segundo Lacerda.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Índice de Preços sobe quase 7% em 12 meses
- Número de empresas que entregaram DIPJ no prazo fica abaixo do previsto pela Receita
- Gol reduz ofertas domésticas; empresa vai cortar 200 voos semanais
- Receita libera amanhã 2º lote de restituições
- Extrato da Declaração do IR 2013 está disponível para o contribuinte
- BNDES ajudará brasileiros a comprar estatais em Portugal, diz ministro
- Receita Federal alerta para falsa cobrança de ISS
- Novo bilionário? Descubra quanto Ronaldo embolsa por contrato
- Argentina aprova anistia fiscal em esforço para atrair dólares
- Governo publica decreto que garante recursos para desconto na conta de luz
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.