CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUARTA-FEIRA, 14 DE NOVEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Governo Bolsonaro pode privatizar distribuidora da Petrobras, diz Mourão
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
Economia brasileira cresce 0,2% no segundo trimestre em relação ao primeiro
Data Publicação:02/09/2018
A economia do Brasil registrou um crescimento trimestral de 0,2% no segundo trimestre deste ano, marcado pela greve de caminhoneiros e pelas crescentes incertezas eleitorais, informou o IBGE nesta sexta-feira.

A estimativa média de 23 economistas consultados pelo jornal Valor Econômico era de um crescimento trimestral de 0,1% da maior economia latino-americana. Em comparação com o mesmo período de 2017, o PIB cresceu 1%.

No período janeiro-março, o crescimento foi de 0,1% em relação ao quarto trimestre de 2017, segundo dados revisados em baixa pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A avaliação anterior era de +0,4%.

Em comparação com o mesmo período de 2017, o PIB abril-junho cresceu 1%. No acumulado de quatro trimestres, 1,4%, precisou o IBGE.

O Brasil saiu em 2017 de dois anos de recessão, com expansão de 1%.

A expectativa inicial do governo de Michel Temer e do mercado era de que neste ano a decolagem se consolidasse, com um aumento do PIB próximo a 3%.

Mas a desconfiança de investidores e consumidores e a greve dos caminhoneiros que paralisaram o país por onze dias reduziram essas projeções pela metade (cerca de 1,5%).

"O contexto de fragilidade política, oportunismo, corporativismo e o cenário político agitado (...) custam pelo menos uma queda de 50% no PIB projetado", analisou a firma de consultoria Infinity Assets.

O movimentado segundo trimestre teve grande impacto no setor, que registrou contração de 0,6% em relação ao trimestre anterior.

A agricultura estagnou (0%), enquanto o setor de serviços, que responde por três quartos do PIB, manteve a economia à tona, com um aumento de 0,3%.

Do lado da demanda, o item mais afetado foi o investimento (formação bruta de capital fixo), que caiu 1,8%. O consumo das famílias aumentou 0,1% e as compras do governo aumentaram 0,5%.

A desconfiança dos investidores é alimentada por pesquisas que mostram que até agora que nenhum candidato identificado com políticas de ajuste fiscal está entre os favoritos para as eleições presidenciais de outubro.

Um programa difícil de vender, num país que tem quase 12,9 milhões de desempregados (12,3% da população ativa) e com quase 5 milhões de pessoas que desistiram de procurar trabalho por causa da fragilidade do mercado de trabalho.

As perspectivas econômicas também foram complicadas pelos sérios problemas financeiros de outros grandes países emergentes, como Argentina e Turquia, que tiveram forte impacto na moeda brasileira.

Até agora este ano, o real desvalorizou mais de 20% em relação ao dólar.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Banqueiro vê rali no mercado mesmo se Haddad ganhar eleições
- Jack Ma reconsidera promessa de criar 1 milhão de postos de trabalho nos EUA
- Dólar deve voltar a oscilar na próxima semana, afirmam analistas
- Economia brasileira cresce 0,2% no segundo trimestre em relação ao primeiro
- Dólar sobe 1,5%, encosta em R$4,15 com cena eleitoral e tem segunda maior cotação da história
- Prepare o coração: dólar já está mais volátil do que nas últimas três eleições
- Cobalto é o novo ouro e escassez já preocupa mineradores; entenda
- Saiba qual será o salário mínimo para 2019, de acordo com o governo
- A fabricante de alimentos Kraft Heinz trará novos produtos para o Brasil
- Dólar comercial atinge maior patamar desde 2016. Entenda a valorização da moeda frente ao real
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.