CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
DOMINGO, 10 DE DEZEMBRO DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
Em convenção, Alckmin é eleito presidente do PSDB e partido polariza com Lula em 2018
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
Ação da Petrobras atinge menor valor desde 2004
Data Publicação:06/01/2015

Envolvida em uma série de denúncias de corrupção que a impediram de divulgar seu balanço referente ao terceiro trimestre do ano passado, a Petrobras viu suas ações desabarem nesta segunda-feira (5) ao menor valor desde 2004, na esteira do tombo nos preços do petróleo no exterior.

O movimento da estatal pressionou o principal índice da Bolsa brasileira, o Ibovespa, que fechou o dia com desvalorização de 2,05%, para 47.516 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,491 bilhões -acima do volume médio diário em janeiro, de R$ 5,221 bilhões, segundo dados da BM&FBovespa.

As ações preferenciais da Petrobras, sem direito a voto, perderam 8,01%, para R$ 8,61cada uma. É o menor valor desde 21 de maio de 2004, quando valiam R$ 8,40. Já os papéis ordinários da estatal, com direito a voto, encerraram o pregão em queda de 8,11%, para R$ 8,27 -preço mais baixo desde 30 de setembro de 2004, quando estava em R$ 8,23. No final do ano passado, essas ações já haviam atingido seus menores níveis em mais de dez anos.

Em Londres, o contrato mais negociado do barril de petróleo Brent caía 5,30%, às 17h30 (de Brasília) para US$ 53,43. Já o contrato mais negociado do petróleo em Nova York cedia 4,59%, para US$ 50,27 -mais cedo, a cotação esteve abaixo de US$ 50 por barril, menor valor desde meados de 2009.

"No curto prazo, o que mais afeta as ações da Petrobras é o escândalo de corrupção dentro da empresa e seu impacto no balanço da companhia. Mas, no longo prazo, a cotação do petróleo prejudica bastante a petroleira. Dependendo do nível que o preço se estabilizar, pode até inviabilizar o pré-sal", disse Fernando Góes, analista da Clear Corretora.

Para Góes, o nível mais baixo das commodities no exterior "veio para ficar", e deve continuar pesando negativamente os mercados. "É um grande impulsionador de PIB para EUA, mas ruim para as economias emergentes bastante dependentes das commodities, como Rússia e Brasil."

A avaliação de Paulo Gala, estrategista da Fator Corretora, é que a deterioração da crise grega, somada à queda do petróleo, traz um cenário negativo aos mercados de ações globais "pelo menos ao longo do primeiro trimestre" de 2015.

O governo de coalizão à frente da Grécia não obteve sucesso na aprovação de um presidente, e a escolha deverá ser feita em eleição popular marcada para o final de janeiro. "O mercado teme que essa economia saia da Zona do Euro", afirmou Gala.

Com aversão ao risco generalizada nos mercados internacionais, os principais índices de ações da Europa fecharam no vermelho. Nos EUA, as Bolsas de Nova York afundaram quase 2% nesta segunda.




Fonte:folhapress



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Leniência fechada pelo MPF deve garantir R$ 24 bi aos cofres públicos
- Poupança tem melhor resultado em relação ao mes de julho dos últimos tres anos.
- Juros do cartão de crédito rotativo ficam em 378,3% ao ano em junho
- Analistas mantém estimativa de crescimento do PIB
- IBGE registra alta de 0,8% na produção industrial de maio
- Evento combina café e networking para gerar novos relacionamentos profissionais
- Governo pensa em dobrar o limite para compras em free shops do país
- SuFresh em recuperação judicial
- Brasil registra forte superávit primário em abril
- Com novo ajuste juros do rotativo do cartão caem pela metade e atingem 233% ao ano
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.