CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
DOMINGO, 10 DE DEZEMBRO DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
Em convenção, Alckmin é eleito presidente do PSDB e partido polariza com Lula em 2018
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
Petróleo tem nova queda em seu pior ano desde 2008
Data Publicação:03/01/2015

Os preços do petróleo registraram em 2014 seu pior ano desde 2008 em Nova York e Londres, afetados pelo excesso de oferta mundial e pelas perspectivas sombrias envolvendo a demanda, uma tendência confirmada nesta quarta-feira, com uma nova queda.

O barril do cru leve (WTI) para entrega em fevereiro caiu 85 centavos, a 53,27 dólares, na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), um mínimo de fechamento desde 1º de maio de 2009. No conjunto do ano, a queda foi de 46%.

Em Londres, o barril do Brent do Mar do Norte para entrega em fevereiro fechou em 57,33 dólares na Intercontinental Exchange (ICE), alcançando níveis inéditos de fechamento em cinco anos e meio, com uma queda de 48% no ano.

Os preços do petróleo, que desestabilizaram os mercados financeiros e as economias de países produtores, como Rússia e Venezuela, experimentaram a maior queda desde 2008, quando perderam mais da metade de seu valor em plena crise financeira.

A produção americana de cru se situa em níveis recordes em 30 anos, com mais de 9 milhões de barris por dia (MBD).

Na semana que terminou em 26 de dezembro, os Estados Unidos produziram 10,2 MBD de gasolina e 5,3 MBD de destilados, um recorde desde 1982, ano das primeiras estatísticas semanais do Departamento de Energia (DoE).

A perspectiva de aumento da oferta líbia ou iraquiana, que se soma ao enfraquecimento da demanda, tanto na Europa quanto na Ásia, e a valorização do dólar, convenceram os investidores a abandonar em massa o mercado.

Petroleiras como ConocoPhillips ou Continental Ressources já reduziram os investimentos para 2015, enquanto a American Eagle Energy anunciou nesta quarta-feira a suspensão de novas perfurações.




Fonte:Reuteres



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Leniência fechada pelo MPF deve garantir R$ 24 bi aos cofres públicos
- Poupança tem melhor resultado em relação ao mes de julho dos últimos tres anos.
- Juros do cartão de crédito rotativo ficam em 378,3% ao ano em junho
- Analistas mantém estimativa de crescimento do PIB
- IBGE registra alta de 0,8% na produção industrial de maio
- Evento combina café e networking para gerar novos relacionamentos profissionais
- Governo pensa em dobrar o limite para compras em free shops do país
- SuFresh em recuperação judicial
- Brasil registra forte superávit primário em abril
- Com novo ajuste juros do rotativo do cartão caem pela metade e atingem 233% ao ano
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.