CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
TERÇA-FEIRA, 11 DE DEZEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bumblebee
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
BC vai trabalhar para que inflação convirja para a meta em 2016, diz Awazu
Data Publicação:15/12/2014

O Banco Central fará o necessário para que o processo de convergência da inflação para a meta estipulada pelo governo se dê no horizonte de 2016, afirmou Luiz Awazu Pereira, diretor de Regulação do Sistema Financeiro e de Assuntos Internacionais do BC. "Para isso (o BC) deverá mirar ao longo de 2015 para uma trajetória que deverá ser compatível com a maior probabilidade possível de se atingir essa meta em 2016", declarou Awazu nesta segunda-feira, 15, durante o seminário "Reavaliação do Risco Brasil", no Rio de Janeiro.

Segundo o diretor, a autoridade monetária agirá de acordo com os desdobramentos de determinadas circunstâncias nos próximos meses. "A caracterização da maneira como isso se dará terá de ser fruto das circunstâncias que vão necessariamente ocorrer ao longo dos próximos meses. Mas o objetivo é fundamental, a convergência da inflação para a meta, fazer o que for necessário para que isso aconteça em 2016", disse o diretor do BC.

No mesmo seminário, Sebastian Briozzo, diretor sênior da Standard & Poor"s, avaliou que é preciso que o controle inflacionário tenha auxílio tanto da política monetária quanto da fiscal.

"Uma coisa não está isolada da outra", disse Briozzo. "A gente vê a política macroeconômica como um todo. O Banco Central tem de fazer o seu trabalho, a meta explícita é do BC. Mas não pode ser enxergado isolado do que é feito no fiscal", completou. Segundo ele, a inflação precisa ser tratada no contexto de uma política macroeconômica.

Diante dos comentários de participantes do seminário de que apenas o esforço do BC pode não ser suficiente para o arrefecimento da inflação, Awazu repetiu: "Nós fazemos, da nossa parte, tudo o que será necessário para trazer a inflação à meta de 4,5% ao ano no horizonte de 2016".

Transparência

Briozzo disse também, durante o seminário, que a Standard & Poor"s não espera um ajuste fiscal rápido para o ano que vem no Brasil, mas precisa ver com transparência uma melhora nas contas públicas.

"Não estamos esperando um ajuste fiscal rápido. O que precisamos ver é que o ajuste é transparente", disse Briozzo, ao responder uma pergunta sobre a transição de modelo de política econômica que deverá ser feita pela nova equipe do governo.




Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Banqueiro vê rali no mercado mesmo se Haddad ganhar eleições
- Jack Ma reconsidera promessa de criar 1 milhão de postos de trabalho nos EUA
- Dólar deve voltar a oscilar na próxima semana, afirmam analistas
- Economia brasileira cresce 0,2% no segundo trimestre em relação ao primeiro
- Dólar sobe 1,5%, encosta em R$4,15 com cena eleitoral e tem segunda maior cotação da história
- Prepare o coração: dólar já está mais volátil do que nas últimas três eleições
- Cobalto é o novo ouro e escassez já preocupa mineradores; entenda
- Saiba qual será o salário mínimo para 2019, de acordo com o governo
- A fabricante de alimentos Kraft Heinz trará novos produtos para o Brasil
- Dólar comercial atinge maior patamar desde 2016. Entenda a valorização da moeda frente ao real
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.