CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bolsonaro consegue apoio robusto nas ruas antes do segundo turno
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
Inflação do alguel cai quase 1%
Data Publicação:29/04/2014

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou 0,78% em abril, caindo 0,89% em relação à alta de 1,67% verificada em março. Em abril do ano passado, a taxa havia variado 0,15%, de acordo com os dados divulgados hoje (29) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV).

Com a alta de abril, o IGP-M, que serve de parâmetro para o reajuste de alguns preços do mercado, como os aluguéis residenciais e comerciais por exemplo, passou a acumular nos quatro primeiros meses do ano alta de 3,35%, com a taxa anualizada (o acumulado dos últimos 12 meses) ficando em 7,98%. O IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

A queda de quase 1 ponto percentual no IGP-M de março para abril refletiu a retração dos preços no atacado (ao produtor), uma vez que os preços ao consumidor se mantiveram estáveis e os da construção civil subiram entre um mês e outro.

Em abril, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou variação de 0,79%, uma retração que chegou a 1,41 ponto percentual em relação à alta de 2,20% de março. Na composição do IPA, os bens finais variaram 2,19%, contra 2,23% em março;  os bens intermediários, 0,18%, contra 1,28% do mês anterior; enquanto os preços no estágio inicial da produção, medidos pelo grupo matérias-primas brutas, acusaram deflação de 0,06% em relação à alta de 3,25% verificada em março.


O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou, em abril, variação de 0,82%, segundo o Ibre, a mesma taxa do mês anterior. A principal contribuição para a variação positiva ficou com o grupo Saúde e Cuidados Pessoais (cuja variação passou de 0,49% para 0,97%).


O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), o único a registrar alta entre março e abril, subiu  0,67%, resultado 0,45 ponto percentual superior ao de março (0,22%). O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços registrou variação de 0,93% e o relativo à mão de obra registrou variação de 0,42% em abril. No mês anterior, esse índice teve taxa de 0,01%.




Fonte:ag brasil



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Banqueiro vê rali no mercado mesmo se Haddad ganhar eleições
- Jack Ma reconsidera promessa de criar 1 milhão de postos de trabalho nos EUA
- Dólar deve voltar a oscilar na próxima semana, afirmam analistas
- Economia brasileira cresce 0,2% no segundo trimestre em relação ao primeiro
- Dólar sobe 1,5%, encosta em R$4,15 com cena eleitoral e tem segunda maior cotação da história
- Prepare o coração: dólar já está mais volátil do que nas últimas três eleições
- Cobalto é o novo ouro e escassez já preocupa mineradores; entenda
- Saiba qual será o salário mínimo para 2019, de acordo com o governo
- A fabricante de alimentos Kraft Heinz trará novos produtos para o Brasil
- Dólar comercial atinge maior patamar desde 2016. Entenda a valorização da moeda frente ao real
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.