CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 19 DE NOVEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Pesquisadores criam IA capaz de burlar sistemas de impressão digital
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
Inflação medida pelo IGP-M desacelera pouco
Data Publicação:29/11/2011
A inflação medida pelo IGP-M desacelerou levemente. O indicador subiu 0,50% em novembro, após avançar 0,53% em outubro, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A taxa ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo AE-Projeções (entre 0,40% e 0,55%), mas foi superior à mediana das projeções (0,46%).

Nos três sub-indicadores que compõem o IGP-M, o IPA-M subiu 0,52% este mês, após mostrar alta de 0,68% em outubro. O IPC-M apresentou alta de 0,43% em novembro, em comparação com a taxa positiva de 0,26% no mês passado. Já o INCC-M registrou taxa positiva de 0,50% este mês, após subir 0,20% em outubro.

A taxa acumulada do IGP-M é muito usada no cálculo de reajustes de aluguel. Até novembro, o indicador acumula taxas de inflação de 5,22% no ano e de 5,95% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo do IGP-M deste mês foi do dia 21 de outubro a 20 de novembro. Às 11h a FGV concede coletiva de imprensa sobre o indicador, em São Paulo.

Produtos agropecuários - Os preços dos produtos agropecuários atacadistas voltaram acelerar este mês, com alta de 0,60% em novembro, após avanço de 0,04% em outubro, no âmbito do IGP-M. Já variação de preços dos produtos industriais atacadistas mostrou desaceleração, com alta de 0,49% este mês, frente a aumento mais intenso, de 0,91%, em outubro, segundo a FGV.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais subiram 0,62% em novembro, após mostrarem queda de 0,05% em outubro. Por sua vez, os preços dos bens intermediários registraram alta de 0,27% este mês, em comparação com a elevação de 0,92% em outubro. Já os preços das matérias-primas brutas apresentaram alta de 0,73% em novembro, após subirem 1,18% no mês passado.

Inflação atacadista - A inflação atacadista medida pelo IPA-M acumula altas de 4,85% no ano e de 5,51% em 12 meses até novembro. No atacado, os preços dos produtos agrícolas acumulam aumentos de 4% no ano e de 5,19% em 12 meses. Já os preços dos produtos industriais registraram altas de 5,16% no ano e de 5,63% em 12 meses.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram aumentos de 3,18% no ano e de 2,71% em 12 meses até novembro. Por sua vez, os preços dos bens intermediários tiveram altas acumuladas de 3,65% no ano e de 4,51% em 12 meses. Já os preços das matérias-primas brutas acumularam aumentos de 8,38% no ano e de 10,18% em 12 meses, até novembro.

Entre os produtos pesquisados para cálculo da inflação atacadista em novembro, as altas de preços mais expressivas foram registradas em bovinos (3,72%); minério de ferro (1,83%); e carne bovina (5,26%). Já as mais expressivas quedas de preço foram registradas em soja em grão (-2,22%); leite in natura (-1,70%); e leite industrializado (-1,86%).




Fonte:Estadado.com.br



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Banqueiro vê rali no mercado mesmo se Haddad ganhar eleições
- Jack Ma reconsidera promessa de criar 1 milhão de postos de trabalho nos EUA
- Dólar deve voltar a oscilar na próxima semana, afirmam analistas
- Economia brasileira cresce 0,2% no segundo trimestre em relação ao primeiro
- Dólar sobe 1,5%, encosta em R$4,15 com cena eleitoral e tem segunda maior cotação da história
- Prepare o coração: dólar já está mais volátil do que nas últimas três eleições
- Cobalto é o novo ouro e escassez já preocupa mineradores; entenda
- Saiba qual será o salário mínimo para 2019, de acordo com o governo
- A fabricante de alimentos Kraft Heinz trará novos produtos para o Brasil
- Dólar comercial atinge maior patamar desde 2016. Entenda a valorização da moeda frente ao real
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.