CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 18 DE JANEIRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Seul propõe a Pyongyang nova reunião para conversar sobre Jogos de Inverno
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Planeta Criança
  Planeta Criança
 
Os cuidados para se dar remédios para crianças
Data Publicação:27/12/2011

Para medicar crinaças sugerimos algumas dicas importantes:

O importante, nessa ocasião, é pensar nos benefícios que o uso da medicação trará para a criança, acreditando que o pequenino precisa do remédio, ao invés de ficar com dó ou até mesmo com medo, o que pode trazer dúvidas e levar o adulto a desistir da administração do medicamento.

Se houver a certeza de que está se fazendo o melhor, a resistência não terá um impacto tão forte e negativo nos pais. Por isso é importante resolver qualquer dúvida que possa surgir, com o pediatra – como, por exemplo, se a medicação é necessária. Outra pergunta interessante de se fazer ao especialista é sobre a existência de medicação alternativa, que possa ser aplicada em menor dose ou menos vezes ao dia e que tenha um gosto menos desagradável, se for o caso.

1.

O importante, nessa ocasião, é pensar nos benefícios que o uso da medicação trará para acriança, acreditando que o pequenino precisa do remédio, ao invés de ficar com dó ou até mesmo com medo, o que pode trazer dúvidas e levar o adulto a desistir da administração do medicamento.

Se houver a certeza de que está se fazendo o melhor, a resistência não terá um impacto tão forte e negativo nos pais. Por isso é importante resolver qualquer dúvida que possa surgir, com o pediatra – como, por exemplo, se a medicação é necessária. Outra pergunta interessante de se fazer ao especialista é sobre a existência de medicação alternativa, que possa ser aplicada em menor dose ou menos vezes ao dia e que tenha um gosto menos desagradável, se for o caso.

2.Não confunda, remédio não é doce! Quando o adulto se refere ao medicamento do mesmo modo como se refere a doces, pode acabar provocando uma confusão perigosa na mente da criança;

3. Tomar remédio não é algo negociável! A criança pode decidir em qual colher ou copo vai tomar o remédio, mas o adulto nunca deve fazer barganhas (“se você tomar um pouquinho do remédio, depois poderá tomar sorvete”), porque isso passa a impressão de que fazer uso da medicação é algo negociável, o que, na verdade, não é. Seja firme!

4. Cuidado com os engasgos! Uma maneira de preveni-los é certificando-se de que a criança esteja em um ângulo de 45 graus;





Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Estudo: dormir tarde pode afetar aprendizado de crianças
- Até os 6 meses, bebês devem dormir no quarto dos pais
- Móbiles nos berços auxiliam no processo do desenvolvimento do raciocínio na primeira infância
- Crianças devem esperar até os três anos para comer chocolate
- Galinha Pintadinha estimula vendas de aplicativos infantis
- Natal Luz de Gramado -Comédia infantil tem pré-estreia nesta quarta-feira para comunidade escolar
- Campanha vai alertar a população para a importância da prevenção à obesidade infantil
- Unipli participa de mobilização social voltada para a saúde da criança
- Os cuidados para se dar remédios para crianças
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.