CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 22 DE JULHO DE 2019
ULTIMA NOTÍCIA:
Curso online ensina como conquistar clientes, dinheiro e possibilidades
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Cinema & Teatro
  Cinema & Teatro
 
Diretor de filme quer ouvir biografada após acusação de diploma falso
Data Publicação:15/05/2019
O diretor Alê Braga, responsável pelo filme sobre a história de vida de Joana D'Arc Félix de Sousa, 55, disse que ele e a atriz Taís Araujo, produtora associada do longa, querem ouvir a versão da cientista.
Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, publicada nesta terça (14), mostra que a biografada não possui formação na Universidade Harvard e teria usado um diploma falso na tentativa de confirmar a informação.

"Ainda é muito prematuro falar. Não tivemos gastos oficiais com o filme, tirando a nossa dedicação pessoal. Com isso, não saímos contratando pesquisadores, não fizemos essa pesquisa mais fina. Se ela é ou não formada em Harvard, estávamos confiando até o momento no Currículo Lattes dela, que é público, assim como nas informações de prêmios que ela ganhou. Mas estamos esperando ouvir a versão dela para a partir daí a gente poder pensar o que acontece de agora em diante", disse Braga em entrevista à reportagem.

O diretor contou que conhece Joana D'Arc desde 2016 e a ideia do filme era contar a história de superação dela. Filha de mãe empregada doméstica e pai curtumeiro, Joana teria feito pós-doutorado em Harvard nos anos 1990. Antes de chegar lá, porém, sofreu discriminação social (as salas no ensino médio eram divididas por renda; na A, ficavam os mais ricos -ela ficou na F), racial (era chamada de "a negrinha do curtume") e passou fome para conseguir se formar em química na Unicamp. De volta à Franca, sua cidade natal, transformou a Etec Professor Carmelino Corrêa Jr. em centro de inovação.

Ela também falou que não trabalhou no laboratório da universidade e que a sua pesquisa foi desenvolvida no Brasil.
Segundo o diretor Alê Braga, o filme sobre a vida de Joana ainda está em fase muito inicial e, por isso, as pesquisas nas universidades ainda não tinham começado. "A pesquisadora que ia fazer agora os contratos formais com as universidades para poder fazer a pesquisa fina de onde a gente poderia contar cada história e tudo mais, ela estava começando a trabalhar (...) Acho que isso que apareceu [a denúncia do Estado] a gente ia descobrir ao longo da pesquisa, mas eu realmente acho que preciso ouvir a Joana antes de qualquer coisa."

"Conheci a Joana, os prêmios que ela recebeu, prêmios de enorme porte como, por exemplo, o "Faz Diferença", do jornal O Globo, e vários outros. Ela sempre falou com a gente, com todos os detalhes muito interessantes. Eu fui a dez palestras dela. O ponto para mim agora é: eu quero entender o que está acontecendo", complementou. Braga contou que conversou com Tais Araújo e que ela se encontra na mesma situação. "A gente ficou muito próximo dela e desenvolveu todo um argumento do filme baseado nos fatos que a gente conhecida. O mais importante é que a gente não vai apontar dedos, nem para ela nem para quem fez a matéria, estamos em um momento de entender melhor". Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa da atriz disse que ainda não tinha uma posição de dela sobre o assunto.
Na semana passada, o filme foi alvo de outra polêmica, quando Taís anunciou que tinha desistido de interpretar Joana D'Arc no longa após reclamações nas redes sociais de que o tom de pele da atriz era mais claro do que o da cientista, o que a inviabilizaria para o trabalho.

"Quando eu li [as queixas], só falei que eles estavam cobertos de razão. Quando me dei conta do que acontecia eu nem desconfiei, eles estavam certos. Eu não seria a melhor pessoa."


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Sully – o Herói do rio Hudson
- Animais Fantásticos e Onde Habitam
- Tô Rica
- Em breve novo filme dos Power Rangers.
- Família de Montagner vai receber indenização milionária e ajuda da Globo
- NASA divulga estudo sobre como será o fim da civilização ocidental
- A Lenda de Tarzan
- Um Espião e Meio
- Cientistas estão ainda mais confusos com a possível “Superestrutura Alien”.
- Caça- Fantasmas - 2016
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.