CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 19 DE ABRIL DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
ONU pede que Colômbia acelere acordo de paz
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Rio de Janeiro
  Rio de Janeiro
 
Coordenador de diversidade sexual do Rio é alvo de ataque a tiros
Data Publicação:02/04/2018
O coordenador Especial da Diversidade Sexual da prefeitura do Rio, Nélio Georgini da Silva, foi alvo de um ataque a tiros, na tarde deste domingo (1º), na zona norte do Rio.

Nélio teve o carro perseguido após deixar um restaurante onde estava com o marido e familiares. O ataque, segundo o coordenador, ocorreu por volta das 14h30 entre os bairros de Benfica e Rocha.

"Acredito que fomos seguidos do restaurante até o bairro do Rocha, onde fui deixar meus pais em casa", afirmou em comunicado à imprensa.

Nélio também contou que dois suspeitos em uma moto perseguiram o veículo e dispararam ao menos seis tiros. Ninguém se feriu na ação e nenhum tiro atingiu o carro. "Eles estavam usando capacetes e apontaram as armas para o meu carro. Fugimos pela rua Ana Nery quando os motoqueiros emparelharam o carro e [atiraram]", disse.

Pelas redes sociais, o coordenador aproveitou o fato para criticar a intervenção federal na segurança pública do estado.

"Seríamos outros para a estatística de uma cidade roubada, acabada que vive da maquiagem de uma intervenção que até agora nenhuma mosca prendeu! Não há um militar na zona norte!", escreveu.

Nélio informou que vai prestar queixa sobre o crime no 15º DP, na Gávea (zona sul), ainda na manhã desta segunda-feira (2).

Filiado ao PRB, mesmo partido do prefeito Marcelo Crivella, Georgini é evangélico da igreja presbiteriana, homossexual e militante na área de educação. Casado há oito anos com o bancário Ronie Adams, assumiu a coordenação da Diversidade Sexual do Rio em janeiro de 2017.

VIOLÊNCIA NO RIO

O Rio de Janeiro passa por uma grave crise política e econômica, com reflexos diretos na segurança pública. Desde junho de 2016, o estado está em situação de calamidade pública e conta com o auxílio das Forças Armadas desde setembro do ano passado.

Não há recursos para pagar servidores e para contratar PMs aprovados em concurso. Policiais trabalham com armamento obsoleto e sem combustível para o carro das corporações. Faltam equipamentos como coletes e munição.

A falta de estrutura atinge em cheio o moral da tropa policial e torna os agentes vítimas da criminalidade. Somente neste ano, 31 PMs foram assassinados no Estado -foram 134 em 2017. Policiais, porém, também estão matando mais.

Após uma queda de 2007 a 2013, o número de homicídios decorrentes de oposição à intervenção policial está de volta a patamares anteriores à gestão de José Mariano Beltrame na Secretaria de Segurança (2007-2016). Em 2017, 1.124 pessoas foram mortas pela polícia.

Em meio à crise, a política de Unidades de Polícia Pacificadora ruiu -estudo da PM cita 13 confrontos em áreas com UPP em 2011, contra 1.555 em 2016. Nesse vácuo, o número de confrontos entre grupos criminosos aumentou. Com a escalada nos índices de violência, o presidente Michel Temer (MDB) decretou a intervenção federal na segurança pública do Estado, medida aprovada pelo Congresso e que conta com o apoio do governador Luiz Fernando Pezão, também do MDB.

Temer nomeou como interventor o general do Exército Walter Braga Netto. Ele, na prática, é o chefe das forças de segurança do Estado, como se acumulasse o comando da Secretaria da Segurança Pública e a de Administração Penitenciária, com PM, Civil, bombeiros e agentes carcerários sob o seu comando.

Apesar da escalada de violência no Rio, que atingiu uma taxa de mortes violentas de 40 por 100 mil habitantes no ano passado, há outros Estados com patamares ainda piores. No Atlas da Violência 2017, com dados até 2015, Rio tinha taxa de 30,6 homicídios para cada 100 mil habitantes, contra 58,1 de Sergipe, 52,3 de Alagoas e 46,7 do Ceará, por exemplo.



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Exposição Jogos Olímpicos no Museu Histórico Nacional
- Compra pode ser realizada em sete estações até 24 de dezembro
- Royalties aumentaram receita de municípios fluminenses em 2012
- Bill Clinton elogia Bolsa Família em abertura de seminário no Rio de Janeiro
- Dia Mundial de Combate à Aids tem protesto no Rio
- Região portuária do Rio poderá ter 100 mil moradores em duas décadas, estima concessionária
- Guerra de traficantes fecha escolas e deixa quase 2 mil alunos sem aula no Rio
- Pole dance e autoestima
- Casa Cor Rio de Janeiro 2013
- Números de celulares do RJ e ES terão um dígito a mais a partir de amanhã
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.