CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUARTA-FEIRA, 20 DE JUNHO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Apple assina contrato de muitos anos com Oprah Winfrey
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Rio de Janeiro
  Rio de Janeiro
 
Empresários apoiam ação militar no Rio
Data Publicação:04/03/2018
O avanço de militares sobre postos de comando tradicionalmente civis e suas pretensões eleitorais são recebidos com otimismo por membros da elite econômica nacional.

"Estamos em uma situação de guerra, a atitude que tem de ter é torcer a favor", afirmou Flavio Rocha, da Riachuelo, que tenta viabilizar uma candidatura presidencial.

"Qualquer forma de discriminação é nefasta, um militar é um ser humano como qualquer outro", justificou.

Liderado por Rocha, o movimento Brasil 200, composto por empresários como Alberto Saraiva (Habib's), João Apolinário (Polishop), Ronaldo Pereira Junior (Óticas Carol) e Pedro Thompson (Estácio), lançará nesta semana um plano de segurança com medidas de endurecimento do combate à violência.

Prevê ações como o acionamento de forças especiais do Exército e da Marinha "para ocupar áreas mais críticas" e operações de "apoio social" pelas Forças Armadas.

Na plateia de palestra que Flavio Rocha deu em São Paulo, na quinta-feira (1º), a empresária Rosy Verdi (Rodobens) apontou a necessidade de "uma coisa mais dura".

"Tem hora que a gente precisa receber um não, igual criança. Precisamos de alguém que ponha o bonde nos trilhos outra vez e, para isso, militar é bom e a gente vai ter que obedecer", opinou.

A empresária disse que "democracia tem tudo a ver", mas elogiou o governo autoritário da Tailândia. "É um país que tem tudo o que nós temos aqui, praias maravilhosas, mas muito mais pobreza, e você não vê esse lado, vê só as coisas bonitas."

Uma pesquisa Datafolha de junho de 2017 mostrou que as Forças Armadas são a instituição mais confiável no país hoje e sua imagem melhora nos segmentos mais ricos.

Entre os que ganham até dois salários mínimos, 38% dizem confiar muito nela e 16% não confiam. Nas famílias com renda mensal acima de dez salários mínimos, 47% confiam muito e 10% não confiam. Entre apoiadores de Jair Bolsonaro (PSC), o índice vai a 58%.

Segundo o Datafolha, a comparação de pesquisas sobre o prestígio das instituições permite dizer que a imagem das Forças Armadas já foi mais equilibrada entre as classe econômicas.

"Entre os mais pobres, o apoio é menor, pois vivenciam, além do medo dos bandidos, a insegurança em relação às ações policiais", disse o diretor-geral do instituto, Mauro Paulino.

"Não por acaso, são os jovens de classe média que formam a maior parte do eleitorado de Bolsonaro. Os jovens pobres desconfiam do discurso repressivo", constatou.

O historiador Rodrigo Patto Sá Motta criticou a atuação de militares no governo. "Eles deveriam ficar apenas nas casernas", afirmou.

"Muitas pessoas das classes média e alta se sentem mais seguras com a visão do aparato militar nas ruas, o que gera a sensação de que serão mais bem defendidos dos assaltos e crimes comuns. No entanto, parece que a população das áreas carentes tem opinião diferente, já que as forças de segurança costumam tratar os pobres como se fossem criminosos em potencial."

Para o historiador Carlos Fico, apenas setores mais intelectualizados veem as Forças Armadas com resistência por conta da ditadura militar (1964-1985). A sociedade brasileira, em geral, é receptiva.

A elite econômica, em especial, "é pragmática em favor de seus próprios interesses, como é natural. Não se trata mais da imagem das Forças Armadas, mas de defesa de interesses econômicos", disse Fico.

O pesquisador, porém, discordou da visão de que o avanço dos militares reflete a sua "proeminência efetiva". Para ele, trata-se de sua instrumentalização pelo presidente Michel Temer (MDB) para fins políticos.

"Não creio que os próprios militares estejam satisfeitos, porque obviamente a intervenção no Rio de Janeiro vai dar errado, é claro que o problema de segurança


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Motorista do Uber é preso por estuprar adolescente em São Gonçalo
- Nove mil policiais vão deixar UPPs e fortalecer batalhões, diz general
- Sobe para 40 número de policiais mortos no estado do Rio este ano
- Artista preso em festa estava no Rio de férias
- Coordenador de diversidade sexual do Rio é alvo de ataque a tiros
- Operação na Rocinha tem seis mortos pela polícia e corpos em passarela
- Polícia apura participação de 2º carro no assassinato de Marielle
- Tentaram calar a voz dela, diz irmã de Marielle Franco
- Vereadora Marielle Franco é morta a tiros no Rio
- Morador do Rio passa 36 h detido após falha em operação militar
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.