CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
TERÇA-FEIRA, 25 DE SETEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Na Suíça, pedreiros estudam por até 4 anos e ganham R$ 20 mil por mês
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Rio de Janeiro
  Rio de Janeiro
 
Exército mobiliza 1.400 e repete operação em favela da zona oeste do Rio
Data Publicação:03/03/2018
Cerca de 1.400 homens das Forças Armadas realizam neste sábado (3) uma operação na favela Vila Kennedy, em Bangu, bairro da zona oeste do Rio de Janeiro.

De acordo com o Comando Militar do Leste (CML), a ação tem como objetivo a desobstrução de vias no local. A favela já havia sido alvo de uma operação em 23 de fevereiro, quando as Forças Armadas foram criticadas por "fichar" moradores, tirando fotos com RG, de quem circulava pelas ruas da favela.

No decorrer da operação deste sábado, um homem foi preso acusado de desacato. O CML informou que ele foi conduzido à delegacia de polícia judiciária militar para registrar a ocorrência e será encaminhado à delegacia civil de Bangu.

A página do Facebook "Voz da Vila Kennedy", portal de notícias comunitárias, afirma que a quantidade de soldados, carros e tanques é "bem menor" do que das últimas operações e que não houve registro de tiroteios. Segundo a página, todas as entradas do bairro estão ocupadas por militares que fazem um "rígido controle de acesso", revistando carros.

INTERVENÇÃO NO RIO

O Rio de Janeiro está sob intervenção federal na segurança, comandada pelo general Walter Braga Netto, nomeado pelo presidente Michel Temer (MDB). Anunciada em 16 de fevereiro, a medida foi aprovada pelo Congresso.

A operação do Exército teve início na madrugada do dia 23, com apoio das polícias Civil e Militar, envolveu 3.200 homens nas comunidades Vila Kennedy, Coreia e Vila Aliança, na zona oeste. No dia 20, um sargento do Exército foi morto por bandidos durante arrastão em Campo Grande, bairro vizinho.

Ao todo, 27 pessoas foram encaminhadas para delegacia, incluindo um menor de idade -não foram divulgadas as identidades nem os eventuais crimes cometidos. Além de drogas, houve apreensão de duas pistolas, uma réplica de fuzil, carregadores, 12 carros e 13 motos roubadas e 8 radiotransmissores.

Nas abordagens aos moradores das favelas, os militares enviavam RG e foto das pessoas por um aplicativo para um setor de inteligência, que avaliava eventual existência da anotação criminal. Após flagrar esse "fichamento" das pessoas, a reportagem da Folha de S.Paulo chegou a ser impedida de continuar no local e foi encaminhada por homens do Exército a uma distância de 300 metros.

'GRAVES INFRAÇÕES'

A OAB-RJ (Ordem dos Advogados do Brasil), que criou um grupo para acompanhar a intervenção no Rio, classificou as ações dos militares como "graves infrações às garantias constitucionais". "A ação afrontou os direitos constitucionais de ir e vir e da liberdade de expressão, ao cercear moradores e equipes da imprensa", afirmou a OAB, que estuda medidas judiciais para impedir novos casos como os desta sexta.

A Defensoria Pública do Rio manifestou "veemente discordância" com a prática." A abordagem pessoal por qualquer agente de segurança só é permitida quando há razões concretas e objetivas para a suspeita de que o indivíduo esteja portando bem ilícito ou praticando algum delito. O fato de se morar em uma comunidade pobre não é razão suficiente para este tipo de suspeita", afirma.

A página Maré Vive, administrada por líderes comunitários da favela da Maré, na zona norte, afirmou que esse tipo de revista pelo Exército nunca seria tolerado em bairros nobres. "Eu queria ver se isso algum dia vai acontecer no Leblon, Ipanema, Flamengo, Laranjeiras, Barra, qualquer lugar que não a favela."

A ONG Justiça Global disse que enviou à ONU (Organização das Nações Unidas) e à OEA (Organização dos Estados Americanos) pedido para que mandem observadores internacionais para acompanhar a intervenção no Rio.

A socióloga Julita Lemgruber, do Centro de Estudos de Segurança Pública da Universidade Cândido Mendes, afirmou que a abordagem do Exército a moradores de favelas "é medida que viola o direito constitucional de todo cidadão de não ter sua liberdade e intimidade cerceada".


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Incêndio de grandes proporções atinge o Museu Nacional, no Rio
- Defensoria obtém soltura de dois jovens presos ilegalmente em casa no RJ
- Ex-marido de corretora morta no Rio tem a prisão decretada por suposta participação no crime
- Mulher de 54 anos morre após ter atendimento negado em hospital no Rio
- Ao lançar candidatura no RJ, Paes exagera sobre homicídios e investimentos
- TRE do Rio apreende bandeiras e panfletos em festival de artistas em apoio a Lula
- Estado do Rio vai pagar tratamento psiquiátrico para família de garoto morto na Maré
- Rio de Janeiro confirma seus dois primeiros casos de sarampo em 18 anos
- Motorista do Uber é preso por estuprar adolescente em São Gonçalo
- Nove mil policiais vão deixar UPPs e fortalecer batalhões, diz general
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.