CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SÁBADO, 23 DE MARÇO DE 2019
ULTIMA NOTÍCIA:
Supremo sinaliza maior correção para precatórios
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Rio de Janeiro
  Rio de Janeiro
 
CAMINHADA EM DEFESA DA LIBERADDE RELIGIOSA NO RIO DE JANEIRO
Data Publicação:16/09/2012
Milhares de pessoas participaram hoje (16/9) da 5ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, na Orla da Copacabana, zona sul do Rio. O objetivo da caminhada era pedir o fim do preconceito e de atos de violência contra praticantes ou templos no país, além de cobrar políticas públicas para combater a discriminação.

Como o protesto coincide com o período eleitoral, a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (Ccir), proponente da marcha, aproveitou para reforçar que o estado é desvinculado de qualquer religião e que os representantes escolhidos para cargos públicos “não podem fazer valer sua lógica religiosa”, disse o interlocutor, Ivanir dos Santos.

A Ccir surgiu em 2008, depois que religiosos de matriz africana foram expulsos de uma comunidade na Ilha do Governador por traficantes que, em presídios, se converteram a segmentos neopentecostais.

“Uma coisa que tem crescido no Brasil é a ideia fascista de que só tem um caminho. Isso vem interferindo na educação e no mercado de trabalho, por exemplo, porque excluiu pessoas de oportunidades com base na opção religiosa”, disse Santos. Para pôr fim ao problema, ele cobrou do governo federal um Plano Nacional de Combate á Intolerância Religiosa.


Participando pela primeira vez com uma delegação oficial, os budistas do Rio defenderam “a convivência com praticantes de outras religiões como forma de combater o preconceito”. Vindo de Itaguaí, única cidade do estado com um templo budista instalado há 53 anos, o sacerdote descendente de japoneses Jyunsho Yoshikawa sugeriu que as pessoas “não se fechem em um aquário e conheçam várias fés”.

A comunidade Bahá’i no Brasil protestou, mais uma vez, contra violações de direitos humanos no Irã. Com uma faixa de 6 metros, em persa, deram apoio aos Bahá’i daquele país, em que “são segregados cada vez mais das atividades como ir a uma universidade”, citou a porta-voz Marilúcia Pinheiro. Lá, onde são minoria, os praticantes da religião são presos injustamente, têm negócios boicotados e cemitérios invadidos, disse.

Entre o público, os praticantes de diversas crenças e religiões se misturavam. Evangélicos neopentecostais, que, convidados, não participaram da organização do evento, estavam representados entre os participantes. É caso de Raimundo Sales, de 40 anos. "Já fui espírita, de umbanda, hoje sou evangélico. Acho que a gente não deve ter nada contra religião nenhuma", disse.

Crianças e adolescentes também foram incentivados a comparecer. Do Centro Integrado de Educação Pública (Ciep) Miguel Cervantes, de Manilha, no Grande Rio, uma turma de jovens estava contente em ver, muitos pela primeira vez, hare krishnas , candomblecistas e praticantes de Wicca, estes com seus chapéus pontudos.

“Eu nunca vi gente dessas religiões. A gente só ouve falar, mas não sabe bem como são. Esta é uma oportunidade para conhecê-las, saber no que acreditam e como praticam sua fé”, disse a estudante católica, de 14 anos, Isabel Pereira, acompanhada da professora de religião.

Ao protesto se somou gente de outros estados. Depois de viajar 15 horas de ônibus, de Uberlândia (MG), um grupo praticante do candomblé revelou que recentemente foi hostilizado por candidatos naquela cidade. “Ainda não temos liberdade de religião”, diz a mãe de santo Maria da Silva Ferreira.

A caminhada também propôs aos candidatos à prefeitura do Rio uma carta-compromisso para erradicar o problema do preconceito e da perseguição religiosa, com a criação de uma ouvidoria para apurar denúncias de ataques contra lideranças e templos, além de ações que promovam uma cultura de paz.

Apenas o candidato Marcelo Freixo (Psol), assinou. Eduardo Paes (PMDB) e Otávio Leite (PSDB) mandaram representantes, que não puderam assinar. A candidata Aspásia Camargo (PV), que em campanha em Copacabana, cruzou com as lideranças religiosas, não se pronunciou.


Fonte:ag Brasil



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Reunião sobre pacote anticrime - Condege e Instituições
- Ônibus atinge agência bancária no centro do Rio
- Sem cubanos e violentas, favelas do Rio sofrem para atrair médicos brasileiros
- Incêndio destrói hospital no Rio de Janeiro; três pacientes morrem
- Alunos da UFF fazem ato contra retirada de bandeira por fiscais do TRE
- Ibope: Na capital paulista, Haddad supera Bolsonaro
- Estudante defende mulher assediada em ônibus no RJ
- Incêndio de grandes proporções atinge o Museu Nacional, no Rio
- Defensoria obtém soltura de dois jovens presos ilegalmente em casa no RJ
- Ex-marido de corretora morta no Rio tem a prisão decretada por suposta participação no crime
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.