CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
DOMINGO, 17 DE JUNHO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Com árbitro de vídeo omisso, Brasil fica no empate com a Suíça
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Cultura
  Cultura
 
Resistir e lutar: a vida de uma líder indígena em São Paulo
Data Publicação:20/04/2018
Patrícia Gabriel Soares tem só 28 anos e há três lidera o núcleo Tekoa Pyau, na aldeia do Pico do Jaraguá, zona oeste de São Paulo, onde moram aproximadamente 135 famílias da etnia guarani mbya. “Primeiramente meu nome é Patrícia, Jaxuka em Guarani”, fala devagar. “Aqui eu ajudo na organização, participo de reuniões e dou conselhos. A minha maior preocupação é ajudar o meu povo. Que a gente consiga melhorar a vida de todos e, principalmente, resistir”.

Neta do cacique e pajé José Fernandes, líder religioso dos guarani no estado de São Paulo, a jovem caminha pela aldeia enquanto conversa com a nossa reportagem. “Eu tenho muito orgulho do meu avô, porque apesar da dificuldade em falar português, ele conseguiu lutar com o nosso povo pela demarcação da Terra Indígena Tenondé Porã”, fala. “Então ele é um exemplo para mim”. A portaria declaratória da Terra Indígena Tenondé Porã, na região de Parelheiros, foi publicada no Diário oficial em 6 de maio de 2016. Apesar do avanço, no ano seguinte, os guarani sofreram um revés quando o presidente Michel Temer anulou a portaria da Terra Indígena Jaraguá, onde hoje vivem Patrícia e o avô.

“O processo está parado, é muito devagar. Com esse Michel Temer a gente não sabe mais o que vai acontecer, mas não vamos desistir”, afirma Patrícia, que participa junto com as lideranças dos outros núcleos do Jaraguá na mobilização pela demarcação do território onde vivem. “São vários líderes, núcleos diferentes, mas a luta é uma só: demarcação, saúde e educação para o nosso povo continuar resistindo”, diz. “Aqui as nossas crianças falam só guarani até os 7 anos, isso é resistir, é preservar a nossa cultura. Defender o nosso território é resistir. Assim que a gente vive, resistindo às pressões da sociedade, da mídia, do governo”.

Luta

Dentre as suas atividades diárias, estão os encontros que promove com adolescentes dentro da escola CECI Jaraguá, que fica na aldeia. “Aqui eu sento com eles e converso sobre a nossa luta. Porque hoje eu estou aqui na liderança, mas amanhã pode ser outra pessoa, esses jovens estão vindo para nos ajudar”, explica. “Eu tenho 28 anos, mas é como o meu avô sempre fala: ‘não importa se a pessoa é mais nova, ela é capaz de guiar e dar conselhos para melhorar a vida de todos’. Então eu sei que sou capaz e esses jovens também são”. No dia da nossa visita, adolescentes faziam junto com Patrícia cartazes com os dizeres “Demarcação já, Jaraguá é Guarani”.

O interesse em assumir a liderança foi natural. “Eu comecei a participar mais e tentar ajudar, eu tenho 3 filhos, penso muito neles e em todas as crianças da aldeia”, fala. “Mas a verdade é que é um caminho espiritual. O meu Deus me colocou nesse caminho e, apesar das dificuldades, eu preciso seguir e enfrentar os obstáculos”. Dentro do espaço de reza da aldeia, Patrícia nos convida a contemplar o lugar mais sagrado do território: “Normalmente eu não deixo as pessoas entrarem aqui. Às vezes eu permito, falo com o meu avô. Para que vocês, não índio, possam entrar, ver de perto e aprender a respeitar a nossa cultura”.

Diferente do que muitas pessoas pensam, não é no dia 19 de abril – uma data estabelecida pelos brancos – , que acontecem as principais celebrações indígenas dos guarani e outras etnias. “O mês de agosto é muito especial porque a gente celebra o dia de batizado da erva-mate, que é uma planta sagrada”, explica. “Neste dia, as nossas crianças recebem o nome, são batizadas, pelo nosso líder religioso, José Fernandes. E também é o mês que comemoramos o nosso ano novo, onde a gente começa a plantar e os ciclos começam de novo”.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Bagé prepara III Festival de Cinema da Fronteira
- Pata de Elefante faz show gratuito na Redenção, dia 10 de dezembro em Porto Alegre
- O Théâtre du Soleil vem pela segunda vez ao sul do Brasil, agora com a peça Os náufragos da Louca Esperança
- Festival de Cinema da Diversidade Sexual em Porto Alegre
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.