CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUARTA-FEIRA, 15 DE AGOSTO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Agricultor escreve nome de Bolsonaro em plantações no MS
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mulher
  Mulher
 
CNJ constata situação precária de presas gestantes e lactantes
Data Publicação:06/03/2018
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) divulgou informações sobre as inspeções que realizou em 22 estabelecimentos penais para conhecer a situação de mulheres presas gestantes e lactantes. Foram entrevistadas 311 das 622 mulheres nessa situação. As informações são da Agência Brasil.

Em alguns presídios, elas se queixaram da oferta de marmitas com alimentos podres; em outros, a completa falta de assistência nutricional, médica e pré-natal. Um dos principais problemas constatados pela equipe do CNJ foi a falta de registro e vacinação de bebês.

No Distrito Federal, por exemplo, quatro bebês não haviam recebido a dose devida da vacina chamada BCG, que previne a tuberculose.

Segundo o órgão, a ministra Cármen Lúcia, presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou aos tribunais que providenciem com urgência a vacinação e o registro de todos os bebês que se encontram dentro das cadeias do país.

Como exemplo, o CNJ relatou ter encontrado ao menos 11 crianças sem registro no Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa, em Auquiraz (CE), a 32 quilômetros de Fortaleza. Outras cinco se encontravam nessa situação no Centro de Reeducação Feminino do Pará.

Pela legislação, ao nascer, o bebê de mulheres presas deve permanecer ao menos seis meses no estabelecimento penal junto com a mãe, para que possa ser amamentado. Em dezembro de 2017, havia 249 bebês ou crianças morando com suas mães em penitenciárias brasileiras.

O CNJ visitou 22 estabelecimentos penais em 15 estados e no Distrito Federal, entre 18 de janeiro e 23 de fevereiro. A ministra Cármen Lúcia participou de algumas dessas inspeções, como na penitenciária de Vespasiano (MG), por exemplo.

Entre as exceções encontradas, o CNJ citou a penitenciária de Cariacica (ES), que possui nutricionistas para cuidar da dieta especial de grávidas e lactantes, e o Presídio Feminino Santa Luzia, em Alagoas, que possui unidade materno-infantil equipada para o atendimento básico de saúde.

Habeas corpus

O CNJ não especificou quantas, mas parte das 622 gestantes e lactantes presas no Brasil deve ser beneficiadas em breve com a aplicação do entendimento mais recente do Supremo Tribunal Federal (STF) que, no dia 20 de fevereiro, concedeu, em um habeas corpus coletivo, o benefício da prisão domiciliar a todas as mulheres grávidas e mães de crianças de até 12 anos que se encontrem presas provisoriamente no país.

Habeas corpus é uma garantia constitucional em favor de quem sofre violência ou ameaça de constrangimento ilegal na sua liberdade de locomoção, por parte de autoridade legítima.

A partir da data da decisão do STF, os tribunais de todo o país têm 60 dias para cumpri-la. Mesmo no caso de mulheres já condenadas em definitivo, a legislação prevê a possível concessão da prisão domiciliar, mas suas situações não foram abrangidas pelo STF e devem ser analisadas caso a caso por juízes.

Segundo informações do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), referentes ao ano de 2016, 43% das presas brasileiras cumprem pena provisoriamente, sem o chamado trânsito em julgado, que é condenação definitiva pela Justiça, quando não há mais possibilidade de recurso.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Salto alto pode provocar inflamação grave nos pés e provocar dores na coluna
- Amazon britânica vende kit virgindade com hímen artificial
- Tomar refrigerante aumenta as chances de câncer de útero
- Pílula anticoncepcional aumenta risco de glaucoma, revela estudo
- Médica explica verdades e mitos da Mamografia durante a gravidez
- Veja alimentos que deixam dentes mais brancos e fortes
- Meninas de 9 a 13 anos poderão tomar vacina contra o HPV
- Primavera e Verão serão marcados por cabelos com reflexos naturais e tons de mel
- Lei que dá pílula do dia seguinte a vítimas de estupro é publicada
- Pesquisa relaciona obesidade infantil com tempo em frente à TV
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.