CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
TERÇA-FEIRA, 19 DE JUNHO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Detentos queimam colchões pedindo volta de televisores em presídio de Catalão, GO
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Promessa de Ciro Gomes é uma declaração de guerra: destruir o MDB
Data Publicação:18/06/2018
A primeira promessa de campanha de Ciro Gomes (PDT) é uma declaração de guerra. “O PMDB precisa ser destruído”. A declaração lembra o disparate belicista do então senador Jorge Bornhausen que, em 2006, defendeu a extinção dessa “raça” ao se referir ao PT. Os petistas ficariam mais dez anos no poder, enquanto a legenda do parlamentar, o PFL, precisou mudar de nome para não morrer de inanição. Tinha 105 deputados em 1998 e em 2014 elegeu 21. Hoje, graças à janela partidária, sobrevive com 44. O PT tem 60. Vaticinar a destruição de uma legenda adversária é antes a exposição de um desejo do que uma disposição. O PMDB, hoje MDB, foi base de apoio de todos os governos, à direita e à esquerda, desde a redemocratização. Com o impeachment, ganhou fama de mau aliado, mais ou menos como o vizinho desabrigado a quem você empresta o quarto e fica com a casa. Segundo Ciro Gomes, os emedebistas destruíram os projeto do PT, do PSDB e precisam agora ser destruídos por uma medida aparentemente simples: “basta cortar a torneira da roubalheira que eles entram em extinção”. O presidenciável, claro, joga para a plateia, assim como Jair Bolsonaro (PSL), atual líder das pesquisas que promete, se eleito, governar sem entregar ministérios e estatais para partidos políticos. Marina Silva (Rede), por sua vez, promete governar com os melhores de todos os partidos, seja lá o que isso signifique. A depender dos líderes da corrida eleitoral, o MDB terá de se reinventar se quiser continuar governo, seja quem for o governante. Será mais fácil converter em namoro os fletes recorrentes com os tucanos, que penam para fazer Geraldo Alckmin decolar, ou mover as tripas para fazer do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles um candidato minimamente viável. Nenhuma das duas opções parece palpável após dois anos de governo Temer, rejeitado por 82% da população.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Salários poderão ser recebidos em fintechs e outras instituições não bancárias
- Agência de classificação de risco Fitch rebaixa nota de crédito do Brasil
- Imposto de Renda 2018: Receita vai exigir mais dados sobre bens de contribuintes
- Supervisora da Gol recebe voz de prisão por impedir embarque de delegado
- Ministro fala que não vai recuar do indulto de Natal
- Saiba como votou cada deputado na denúncia contra Temer
- Procuradores defendem Lava Jato nas redes sociais
- Pesquisa sobre dose diluída da vacina da febre amarela
- Sistema Unico de Saúde faz 30 anos e ONU e Harvard irão fazer pesquisa sobre o funcionamento.
- Anvisa proíbe propaganda ”com alegações terapêuticas” da Mundo Verde
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.