CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 19 DE ABRIL DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Aumenta tensão na França com ocupação de universidades e greve ferroviária
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Dodge pede fim de inquérito aberto por Gilmar para apurar abusos no caso Cabral
Data Publicação:18/04/2018
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal), nesta terça (17), para arquivar um inquérito aberto pelo ministro Gilmar Mendes com o objetivo de investigar supostas irregularidades na transferência do ex-governador Sérgio Cabral (MDB-RJ) da prisão no Rio para o Paraná, em janeiro deste ano.

Em sua manifestação, Dodge afirmou que é atribuição do Ministério Público pedir a abertura de investigações, que o ato de Gilmar violou o princípio do juiz natural -porque ele abriu o inquérito para si mesmo- e que não é competência do Supremo investigar pessoas sem foro perante essa corte.

"É fato que não houve a indicação de investigados na determinação da instauração do inquérito. No entanto, a análise do debate do tema por ocasião do julgamento do habeas corpus [de Cabral] conduz à conclusão de que ou seriam as autoridades judiciárias que determinaram o transporte do preso Sérgio Cabral, ou os responsáveis pelo seu transporte e deslocamento na ocasião ensejadora da decisão ora analisada", afirmou Dodge.

O ex-governador, réu em 22 ações penais na Justiça Federal no Rio, foi transferido em janeiro para o Paraná por ordem dos juízes federais Sergio Moro, de Curitiba, e Caroline Vieira Figueiredo, do Rio.

A transferência foi determinada por causa de supostas regalias a que Cabral teria tido acesso no sistema prisional fluminense. As cenas do deslocamento causaram polêmica à época: o político chegou ao IML de Curitiba com algemas nas mãos e uma corrente nos pés.

"Na hipótese de se tratar de investigação contra membro do Poder Judiciário, a lei estabelece a prerrogativa da condução do inquérito por integrante do tribunal perante o qual é vinculado. Assim, a competência para processamento e condução de Inquérito Judicial não seria do STF, mas de um dos Tribunais Regionais Federais a que se encontram vinculados os juízes que determinaram a prática do ato", escreveu Dodge.

Na última terça (10), quando a Segunda Turma do STF decidiu mandar Cabral de volta para a prisão no Rio, Gilmar, que relatou o habeas corpus pedido pela defesa, instaurou de ofício (em uma canetada) o inquérito para apurar supostas ilegalidades no deslocamento para o Paraná, como o uso de algemas, e decidiu que ele mesmo seria o relator.

"O ordenamento jurídico vigente não prevê a hipótese de o mesmo juiz que entende que um fato é criminoso determinar a instauração da investigação e presidir essa investigação", contestou a procuradora-geral.

"Para além da não observância das regras constitucionais de delimitação de poderes ou funções no processo criminal, o fato é que tal conduta transforma a investigação em um ato de concentração de funções, e que põe em risco o próprio sistema acusatório e a garantia do investigado quanto à isenção do órgão julgador", completou.

Por regra, os processos no Supremo são distribuídos entre os ministros de forma aleatória, por sorteio eletrônico, o que não foi feito nesse caso.

Por fim, a procuradora-geral afirmou que já há uma investigação em curso, na Polícia Federal no Rio, para "apurar conduta praticada por policiais federais, no transporte, e condução, com algemas em mãos e pés, do custodiado Sérgio Cabral".

Na sessão em que mandou abrir o inquérito, Gilmar fez críticas aos juízes que conduzem a Lava Jato na primeira instância -Marcelo Bretas, no Rio, e Moro, em Curitiba.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Pastores são presos acusados de desvio de dinheiro do dízimo
- Imposto de importação do feijão é reduzido
- Empresa de Eike teria dado calote de R$ 500 milhões
- Conab monitora estoques de alimentos
- Tarifa do transporte público de São Paulo voltará a custar R$ 3
- CPI da Copa, PEC 37 e melhorias em serviços públicos são bandeiras de manifestações em Brasília
- Redes sociais são usadas em proporções similares por todas as classes
- Em crise, MTV prepara uma série de demissões para amanhã
- Falta de planejamento estatal atrasa vinda dos superjumbos ao Brasil
- Governo antecipa desligamento da TV analógica para 2015
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.