CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 24 DE MAIO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Paralisação só acaba com fim do PIS/Cofins , diz presidente de associação de caminhoneiros
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Paralisação só acaba com fim do PIS/Cofins , diz presidente de associação de caminhoneiros
Data Publicação:24/05/2018
O presidente da Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, afirmou nesta quinta-feira, 24, que a paralisação dos caminhoneiros só vai acabar se o Senado aprovar o projeto que elimina a cobrança de PIS/Cofins até o final de 2018. De acordo com Lopes, o objetivo é garantir que a aprovação aconteça até as 14h de hoje, e a suspensão total da greve só acontecerá depois da sanção presidencial para a publicação da medida no Diário Oficial da União.

“Se na reunião de hoje, às 14h, o ministro Padilha e os ministros participantes anunciarem está aqui, o presidente assinou, aí o movimento é suspenso. Não é só do óleo diesel que tem que tirar PIS/Cofins. Tem que tirar dos combustíveis. É o que nós esperamos hoje”, afirmou, em entrevista à rádio CBN. O presidente da Abcam afirmou que o abastecimento do país deve voltar ao normal em pelo menos uma semana.

Diesel mais baixo

A Câmara dos Deputados aprovou na noite da última quarta-feira, 23, a proposta de eliminação de PIS/Cofins sobre o combustível, com o objetivo de reduzir o valor do litro do combustível. A Petrobras também anunciou uma redução de 10% no valor do diesel nas refinarias.

Segundo Fonseca, os caminhoneiros desejam ainda que a Petrobras elimine a política de reajuste de combustíveis atual, adotada no meio do ano passado. “Esses reajustes têm que ser feitos, no mínimo, em 60 dias. No máximo, em 90, para a gente se programar. O caminhoneiro sai do Rio Grande do Sul, abastece e paga R$ 5. Leva dois, três para chegar. No outro dia, paga R$ 5,30. No outro, R$ 5,50. Isso não pode acontecer. Tem que haver programação para que a gente não tenha prejuízo”, declara.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Trabalhador conquistou décimo terceiro e FGTS na década de 1960
- Padre que defende homossexuais diz estar honrado
- Campos anuncia 100% de royalties para educação
- Cerimônia vai beatificar 1ª beata negra nascida no Brasil
- Jovens do campo terão direito a 5% dos lotes da reforma agrária
- Criança de 1 ano morre devido à gripe H1N1
- Brasil já tem mais de 96 milhões de acessos em banda larga
- Lei garante obrigatoriedade de cirurgia reparadora de mama pelo SUS
- Brasil deve ser único país a receber visita do papa Francisco este ano
- Plano de saúde que negar cobertura pode ser suspenso
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.