CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SÁBADO, 18 DE AGOSTO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Da cadeia, Eduardo Cunha defende Lula candidato e promove filha
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Da cadeia, Eduardo Cunha defende Lula candidato e promove filha
Data Publicação:17/08/2018
Preso desde outubro de 2016, o ex-deputado Eduardo Cunha voltou às redes sociais nesta sexta-feira (17) para "reforçar posições, justificar sua situação e se posicionar no cenário eleitoral". No texto, ele defende o direito de Lula ser candidato, busca votos para a filha, Danielle Cunha, candidata à deputada federal pelo MDB, e critica a Lava Jato.

Na "carta à nação brasileira", divulgada pela equipe de Cunha, o ex-presidente da Câmara dos Deputados se diz vítima de uma perseguição por ter sido o responsável pelo impeachment de Dilma Rousseff. "Sou, assim como o ex-presidente Lula, um troféu político da República de Curitiba", afirma.

Apesar de se colocar como "o maior adversário do PT e o principal responsável por sua queda", ele diz que "Lula tem direito de ser candidato, pois quem deve julgá-lo é a população".

"Lula deve ser cobrado e responder por sua irresponsabilidade de ter imposto ao país um poste sem luz, chamado Dilma Rousseff; que destruiu a economia e a política. O petista não deve ser eleito pelo custo que impôs ao povo com sua desastrada escolha, mas jamais impedido de disputar", afirma.

O ex-deputado defende Henrique Meirelles, presidenciável do MDB, e faz críticas a um Congresso que será eleito "no pior dos modelos políticos, com voto individual, financiamento público e sem qualquer compromisso com a governabilidade".

Cunha afirma que a sigla elegerá a maior bancada na Câmara e Senado, lançando o nome da filha mais velha, destacando-a como evangélica, empreendedora e capacitada.

"Ela é muito mais preparada do que eu. Os meus adversários podem aguardar que ela dará mais trabalho do que eu dei e defenderá tudo o que eu defendi, do interesse da nação e do povo evangélico, como o combate ao aborto, além das suas próprias propostas que debaterá na campanha", diz.

LAVA JATO

Somadas, as penas do político chegam a quase 40 anos. Ele foi condenado duas vezes, com uma das sentenças confirmada em segunda instância.

Na primeira condenação, ele foi acusado de receber propina de US$ 1,5 milhão em um negócio da Petrobras em Benin, na África. Foi sentenciado a 15 anos e quatro meses de prisão pelo juiz Sergio Moro, em março de 2017, mas teve a pena reduzida para 14 anos e seis meses em novembro do mesmo ano pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Outra condenação veio em junho, pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara em Brasília, que o considerou culpado pelos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional por por desvios na Caixa Econômica Federal. Neste processo, Cunha foi condenado a 24 anos e dez meses de prisão.

Em sua defesa, o ex-deputado afirma diz ter sido condenado sem provas, com base na palavra de um delator. "Existem outros casos semelhantes ao meu e querem transformar a prisão provisória em prisão perpétua",citando a absolvição da senadora Gleisi Hoffmann.

Ele também cita a revogação da prisão de Henrique Eduardo Alves, preso em junho de 2016 por suspeita de envolvimento em desvios nas obras da Arena das Dunas, em Natal. Ele teve a prisão revogada em julho, assim como Cunha no mesmo caso, porém, ele não foi solto por responder a outros processos.

Cunha critica também a decisão do ministro Edson Fachin de enviar um processo com base na delação da JBS para a primeira instância de Brasília e o ministro Rogério Schietti do STJ, por não pautar seus pedidos de habeas corpus, mas libertar o empresário Joesley Batista.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Efeitos climáticos mataram até 17% mais árvores na Amazônia
- Dilma se reunirá com Papa Francisco amanhã
- Apenas 67% dos municípios controlam qualidade da água
- Boate Kiss tinha 370 pessoas a mais que a lotação
- Procon divulga lista das empresas mais reclamadas em 2012
- Aviação. Setor pede revisão do preço do querosene
- Correios testam mudança de horário de entrega de cartas
- Programa Saúde na Escola vai beneficiar 14 milhões de estudantes
- Prazo para atualizar cadastros do Bolsa Família é prorrogado
- Dilma anuncia R$ 33 bi para projetos
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.