CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 22 DE FEVEREIRO DE 2019
ULTIMA NOTÍCIA:
Filha do Tiririca faz harmonização facial
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Ex-governador do Rio, Sérgio Cabral e condenado pela nona vez e já soma 197 anos de prisão
Data Publicação:03/12/2018
O ex-governador do Rio Sérgio Cabral foi condenado nesta segunda-feira pela nona vez na Operação Lava-Jato. A pena dada pelo juiz Marcelo Bretas, desta vez, foi de 14 anos e 5 meses por lavagem de dinheiro. Ao todo, a condenação de Cabral chega a 197 anos e 11 meses de prisão.

Além do ex-governador, também foram condenados pelo mesmo crime Maurício Cabral, irmão do político, e a sua ex-mulher, Susana Neves. Maurício recebeu pena de 4 anos e 6 meses e Susana, de 8 anos e 4 meses. Flávio Werneck, empresário da FW Engenharia, recebeu pena de 8 anos e 4 meses e o contador Alberto Silveira Conde, 6 anos.

De acordo com a denúncia do MPF, a empreiteira aumentou em 37 vezes o volume de contratos durante a gestão Cabral, algo alcançado graças ao favorecimento da FW Engenharia nas licitações em troca de propina ao ex-governador e seus familiares.

O valor identificado em propina, R$ 1,7 milhão, foi realizado em pagamentos da Survey Mar e Serviços Ltda, empresa que pertencia a Alberto Conde, contador da FW Engenharia. Uma das empresas de faixada que recebia os pagamentos era a Araras Empreendimentos, pertencente à ex-mulher de Cabral, Susana.

Os advogados de Maurício Cabral, Daniel Raizman e Fernanda Freixinho, afirmam que o cliente é inocente e vão recorrer da sentença. Segundo eles, “o juiz não avaliou adequadamente o conjunto probatório, em especial o depoimento do colaborador Carlos Miranda, que afirmou na sua delação e ante o juízo, que Mauricio Cabral não participou do esquema criminoso”.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Semana da Constelação Familiar: de 11 a 19/03
- STJ concede habeas corpus a deputado federal João Rodrigues por prescrição de prazo
- Equipe econômica de Guedes terá nove nomes do governo Temer
- FHC revela voto nulo em segundo turno das eleições presidenciais
- Aposentadoria integral ficará mais difícil a partir da semana que vem
- McDonalds demite funcionário que emprestou batata para o Burger King
- Homem coloca fogo em um morador de rua em Santos (SP)
- João de Deus, suspeito de abusos sexuais, se entrega à polícia em Goiás
- Por segurança, sinal de celular na Esplanada será bloqueado na posse de Bolsonaro
- Na mira de Bolsonaro, indulto de natal é ato final de Michel Temer
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.