CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 19 DE NOVEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Pesquisadores criam IA capaz de burlar sistemas de impressão digital
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
"Alguém me ajuda, eu não quero morrer", implorou Daniel antes de ser assassinado
Data Publicação:07/11/2018
“Alguém me ajuda, eu não quero morrer”. Esta foi uma das últimas frases que o jogador Daniel Corrêa disse antes de ser assassinado, de acordo com uma das testemunhas ouvidas pela polícia no caso.

Nesta quarta (7), a RPC, afiliada da Globo no Paraná, teve acesso aos depoimentos dados à Polícia Civil de São José dos Pinhais, que investiga o caso.

Os relatos das pessoas ouvidas pela Polícia são bem diferentes da versão contada pela família Brittes, que alega que Daniel teria estuprado Cristiana, esposa de Edison, que confessou ter assassinado o jogador. Nenhuma das testemunhas afirma ter ouvido gritos de socorro ou ver sinais de arrombamento na porta do quarto do casal.

Uma das pessoas diz que viu Cristiana de pé do lado de fora do quarto, enquanto a porta estava fechada e sem nenhum barulho aparente. Mas quando a porta foi aberta, ela viu diversas pessoas agredindo outra que estava sobre a cama. Após isso, Edison saiu do quarto arrastando Daniel, vestido de camiseta e cueca, e levando o jogador até a garagem. Edison teria saído de casa com uma faca de aproximadamente 20 cm falando que “matariam o cara”.

Outra testemunha diz que ouviu pedidos de socorro de Daniel com a voz sofrida: “alguém me ajuda, eu não quero morrer, socorro”. Ela também afirmou que não viu Cristiana ou Allana, filha do casal e amiga do atleta, pedindo para que Edison parasse com as agressões. Para finalizar, a testemunha disse que o jogador ainda estava respirando neste momento, mas que estava muito ferido.

De acordo com a Polícia Civil do Paraná, Daniel foi espancado dentro da casa do casal durante a continuação da festa de Allana e depois foi levado a um matagal, onde seu corpo foi encontrado com cortes no pescoço e o órgão sexual decepado.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Prefeitos demitiram outros médicos para contratar cubanos, diz Bolsonaro
- Prefeito aliado de Bolsonaro lamenta saída de médicos cubanos
- Temer propõe salário de servidor igual ao do setor privado para conter gastos
- Moro alega intenção de evitar controvérsias e antecipa saída do cargo de juiz federal
- Diretor do Santander será presidente do BC do governo Bolsonaro
- Retornam a Cuba primeiros 196 médicos que estavam no Brasil
- Termina interrogatório de Lula em processo da Lava Jato sobre sítio
- Posse de Bolsonaro será às 15h de 1º de janeiro, diz Eunício
- Governo Bolsonaro pode privatizar distribuidora da Petrobras, diz Mourão
- Danilo Gentili defende Silvio Santos e diz que mulheres precisam entender brincadeira
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.