CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 19 DE NOVEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Pesquisadores criam IA capaz de burlar sistemas de impressão digital
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Morte de Toninho do PT completa 17 anos sem respostas
Data Publicação:10/09/2018
Ainda sem respostas, o assassinato do prefeito Antônio da Costa Santos, o Toninho, completa 17 anos nesta segunda-feira (10).

Por se tratar de ano eleitoral, familiares pediram que nenhum grande ato ou homenagem seja realizado, para evitar que candidatos possam tentar se promover com a data.

Passadas quase duas décadas, o crime permanece sem solução. A investigação da Polícia Civil indicou que ele teria sido morto por razões banais, após ter atrapalhado a passagem de um carro com criminosos em fuga pela avenida.

O traficante e sequestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, chegou a ser acusado formalmente pelo crime, mas a Justiça entendeu que não havia indícios que o incriminassem e determinou que a Polícia Civil retomasse as investigações em 2011.

Por duas vezes o advogado da família, que acredita em crime político, tentou federalizar o caso, mas os pedidos foram indeferidos.

Antônio da Costa Santos foi morto com um tiro quando passava de carro na Avenida Mackenzie, após fazer compras no Shopping Iguatemi. Ele estava no cargo de prefeito havia apenas oito meses.

Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito dos Bingos (CPI) em 2005 Roseana Morais Garcia, viúva de Toninho, afirmou que o marido foi morto por questões político-administrativas.

Para ela, Toninho morreu por ferir interesses de “gente graúda”, incluindo os de figuras importantes na história do PT.

Num depoimento emocionado, Roseana denunciou que o inquérito que apurou a morte de Toninho “foi mal conduzido” e sustentou que tudo leva a crer que Toninho foi assassinado por denunciar superfaturamento de obras e licitações públicas com “cartas marcadas”.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Prefeitos demitiram outros médicos para contratar cubanos, diz Bolsonaro
- Prefeito aliado de Bolsonaro lamenta saída de médicos cubanos
- Temer propõe salário de servidor igual ao do setor privado para conter gastos
- Moro alega intenção de evitar controvérsias e antecipa saída do cargo de juiz federal
- Diretor do Santander será presidente do BC do governo Bolsonaro
- Retornam a Cuba primeiros 196 médicos que estavam no Brasil
- Termina interrogatório de Lula em processo da Lava Jato sobre sítio
- Posse de Bolsonaro será às 15h de 1º de janeiro, diz Eunício
- Governo Bolsonaro pode privatizar distribuidora da Petrobras, diz Mourão
- Danilo Gentili defende Silvio Santos e diz que mulheres precisam entender brincadeira
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.