CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 18 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Parte do PT está "se lixando" para Haddad, diz Cid Gomes
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Bolsonaro admite possibilidade de privatizar a Petrobras
Data Publicação:04/08/2018
O pré-candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, afirmou que existe a possibilidade de privatizar a Petrobras, se eleito em outubro, apesar de ser "pessoalmente contra" a ideia.

"Se não tiver uma solução, eu sugiro a privatização da Petrobras. Acaba com esse monopólio estatal. Se não tiver solução, tem que privatizar", disse em entrevista ao Central das Eleições, programa da GloboNews, nesta sexta (3).

"Eu entendo que a Petrobras é estratégica. Por isso eu não gostaria de privatizá-la, esse é o sentimento meu. Então é o recado que eu dou para o pessoal da Petrobras: vamos ajudar a buscar uma solução."

Bolsonaro também afirmou que acha estratégico manter o Banco do Brasil e a Caixa como estatais, sinalizando que não pretende privatizá-los. Sobre os Correios, o presidenciável afirmou que a estatal "lamentavelmente não tem jeito".

Dizendo que nos governos do PT foram criadas estatais sem necessidade, Bolsonaro também afirmou que a solução não é privatizar, e sim extinguir. "Porque ninguém vai querer comprar", afirmou o candidato sobre Empresa Brasil de Comunicação. "Até a nossa TV oficial, quem é que está lá? Basicamente, 'companheiros' da imprensa gastando um bilhão de reais por ano."

Bolsonaro também afirmou que está "cumprindo uma missão de Deus", ao se candidatar à Presidência e que terá alguém do seu partido como vice. "Meu vice vai ser do PSL, chapa pura. Ou a senhora Janaína Paschoal ou o príncipe [Luiz Philippe de Orléans e Bragança]. O que está faltando é que eu estou conversando com a Janaína e ela apresenta alguns problemas familiares, ela tem dois filhos", disse.

Coautora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff em 2016, Paschoal chegou a sentar ao lado do presidenciável durante convenção do PSL. Mas, ao discursar, irritou Bolsonaro e seus aliados com uma fala pedindo moderação e criticando apoio cego ao deputado.

Já o príncipe é o fundador do movimento antipetista Acorda Brasil, em 2014, e não está na linha de sucessão direta do trono abolido em 1889.

Bolsonaro aparece com 16% das intenções de voto no estado de São Paulo, num cenário sem Lula, de acordo com pesquisa Ibope divulgada pela TV Bandeirantes. De acordo com o instituto, ele está tecnicamente empatado com o tucano Geraldo Alckmin, que tem 19%.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Bolsonaro quer mudar representação de Nossa Senhora Aparecida? Não é verdade
- Mangueira escolhe para 2019 samba enredo que homenageia Marielle
- Em novo aceno ao Nordeste, Bolsonaro promete concluir transposição do São Francisco
- Na TV, vice de Haddad faz alerta sobre notícias falsas
- Palocci entrega 19 tipos de provas para atestar delação premiada
- TRF-1 concede liberdade a ex-governador de Goiás Marconi Perillo
- Este é o Brasil visto do alto da Estação Espacial Internacional; veja fotos
- Coronel avisou Bolsonaro de irregularidades de Mourão em projeto de R$ 32 milhões do Exército
- Brasil na mira de Trump após legitimar táticas linha dura no comércio
- Mulher de Moro faz campanha nas redes pelo voto consciente
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.