CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 20 DE AGOSTO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Governo dos EUA afirma que satélite russo pode ser arma disfarçada
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
PCC é a maior organização criminosa da América do Sul, diz promotor a jornal
Data Publicação:14/07/2018
O promotor Lincoln Gakiya, responsável por denunciar mais de 300 membros do Primeiro Comando da Capital (PCC), afirmou que o grupo se tornou “a maior organização criminosa da América do Sul”.

Em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, Gakiya afirmou que o grupo está filiando paraguaios e bolivianos, além de matar aleatoriamente agentes prisionais e policiais para “espalhar o terror”.

Questionado, se os ataques de 2006 podem se repetir, ano em que a facção parou a cidade mais rica do País, o promotor disse que não.

“Em minhas investigações, eles (os bandidos) dizem que jamais farão um 2006 de novo. Eles repensaram o enfrentamento ao Estado e isso tem sido feito de forma pontual e covarde: os assassinatos de agentes penitenciários e policiais. Eles são atos de natureza terrorista pois, além de atingir a finalidade de vingança, servem para causar um terror indiscriminado”, disse.

Questionado sobre o que falta para o PCC ser uma máfia de fato, Gakiya diz que “só falta a consolidação da lavagem de dinheiro, mas isso será obtido em breve, por causa da entrada da facção no tráfico internacional”.

Sobre como o País pode combater a facção de forma eficiente, o promotor afirmou que o PCC hoje é um problema “internacional”.

“O PCC não tem fronteiras e conta com a ineficiência do Estado brasileiro (…) Não temos uma agência nacional ou uma força-tarefa multi-institucional de combate ao crime organizado, capaz não só de ditar politicas, mas também de executar operações, como na Itália. Falta integração entre as polícias e os Ministérios Públicos. Não conseguimos trabalhar juntos. Em 27 anos como promotor nunca vi isso. Talvez, antes de me aposentar, ainda consiga ver”.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Bolsonaro diz que bíblia prega o armamento
- União Europeia não pediu retaliação ao Brasil por prisão de Lula
- Brasil sairá da ONU comunista se for eleito, diz Bolsonaro
- Da cadeia, Eduardo Cunha defende Lula candidato e promove filha
- Pai de Tatiane Spitzner será assistente de acusação do Ministério Público
- Anvisa suspende a venda de dois produtos alisantes no Brasil
- Foro de São Paulo: entenda o que é
- Faremos o que é certo, diz Barroso, sobre distribuição de relatoria do caso Lula no TSE
- PM da Paraíba encontra regras pichadas em muros de João Pessoa e pensa ser de facção criminosa
- Família sepulta parente e ele reaparece vivo meses depois
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.