CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 19 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bolsonaro afirma que não irá participar de debates no segundo turno
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
PCC é a maior organização criminosa da América do Sul, diz promotor a jornal
Data Publicação:14/07/2018
O promotor Lincoln Gakiya, responsável por denunciar mais de 300 membros do Primeiro Comando da Capital (PCC), afirmou que o grupo se tornou “a maior organização criminosa da América do Sul”.

Em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, Gakiya afirmou que o grupo está filiando paraguaios e bolivianos, além de matar aleatoriamente agentes prisionais e policiais para “espalhar o terror”.

Questionado, se os ataques de 2006 podem se repetir, ano em que a facção parou a cidade mais rica do País, o promotor disse que não.

“Em minhas investigações, eles (os bandidos) dizem que jamais farão um 2006 de novo. Eles repensaram o enfrentamento ao Estado e isso tem sido feito de forma pontual e covarde: os assassinatos de agentes penitenciários e policiais. Eles são atos de natureza terrorista pois, além de atingir a finalidade de vingança, servem para causar um terror indiscriminado”, disse.

Questionado sobre o que falta para o PCC ser uma máfia de fato, Gakiya diz que “só falta a consolidação da lavagem de dinheiro, mas isso será obtido em breve, por causa da entrada da facção no tráfico internacional”.

Sobre como o País pode combater a facção de forma eficiente, o promotor afirmou que o PCC hoje é um problema “internacional”.

“O PCC não tem fronteiras e conta com a ineficiência do Estado brasileiro (…) Não temos uma agência nacional ou uma força-tarefa multi-institucional de combate ao crime organizado, capaz não só de ditar politicas, mas também de executar operações, como na Itália. Falta integração entre as polícias e os Ministérios Públicos. Não conseguimos trabalhar juntos. Em 27 anos como promotor nunca vi isso. Talvez, antes de me aposentar, ainda consiga ver”.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Bolsonaro quer mudar representação de Nossa Senhora Aparecida? Não é verdade
- Mangueira escolhe para 2019 samba enredo que homenageia Marielle
- Em novo aceno ao Nordeste, Bolsonaro promete concluir transposição do São Francisco
- Na TV, vice de Haddad faz alerta sobre notícias falsas
- Palocci entrega 19 tipos de provas para atestar delação premiada
- TRF-1 concede liberdade a ex-governador de Goiás Marconi Perillo
- Este é o Brasil visto do alto da Estação Espacial Internacional; veja fotos
- Coronel avisou Bolsonaro de irregularidades de Mourão em projeto de R$ 32 milhões do Exército
- Brasil na mira de Trump após legitimar táticas linha dura no comércio
- Mulher de Moro faz campanha nas redes pelo voto consciente
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.