CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
DOMINGO, 21 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Ciência do consumidor: quanto custa seu CPF?
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Militarização do governo Temer se consolida com a efetivação de general militar na Defesa
Data Publicação:14/06/2018
O presidente Michel Temer acaba de efetivar o general Joaquim Silva e Luna para o cargo de Ministro da Defesa. É a primeira vez que um militar assume a pasta desde sua criação, em 1999. Luna é o ministro interino desde fevereiro deste ano, quando substituiu Raul Jungmann, transferido para o Ministério Extraordinário da Segurança Pública. A decisão é contrária à promessa feita por Temer, no último mês de março, de que Luna seria substituído por um civil. O presidente também teria decidido contra seus assessores, contrários à escolha de um militar.

A escolha do general demonstra a crescente militarização do governo Temer, marcada pelos decretos de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), da intervenção federal no Rio de Janeiro e da lei que transfere para a Justiça Militar o julgamento de militares que cometerem crimes contra civis.Os militares também exercem cargos de importância em outros setores chave do governo, como a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Casa Civil.

Em fevereiro, na ocasião da nomeação de Luna para ministro interino, a escolha foi alvo de críticas. Para o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, a pasta da Defesa é “típica de um civil”. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ressaltou que a presença de um civil à frente do ministério era um símbolo de qual poder prevalece no país.”Governos, sobretudo quando não são fortes, apelam para os militares”, declarou o ex-presidente.

A criação do Ministério da Defesa, em 1999, teve como objetivo afastar o histórico ruim da ditadura militar. O modelo de Fernando Henrique, de inspiração americana, tinha por objetivo colocar nas mãos dos civis as decisões sobre defesa nacional, deixando para os militares seu planejamento e execução. A pasta foi criada em substituição ao Ministério da Aeronáutica, do Exército, da Marinha e do Estado Maior, e gerou insatisfação entre os militares. A pasta, no entanto, sempre foi frágil institucionalmente, dependendo desde o início de relações apaziguadoras com os militares.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Ciência do consumidor: quanto custa seu CPF?
- Justiça manda penhorar bens de Dado Dolabella para pagar indenização a camareira agredida
- Filho de Bolsonaro é banido do WhatsApp; entenda por quê
- Bolsonaro quer mudar representação de Nossa Senhora Aparecida? Não é verdade
- Mangueira escolhe para 2019 samba enredo que homenageia Marielle
- Em novo aceno ao Nordeste, Bolsonaro promete concluir transposição do São Francisco
- Na TV, vice de Haddad faz alerta sobre notícias falsas
- Palocci entrega 19 tipos de provas para atestar delação premiada
- TRF-1 concede liberdade a ex-governador de Goiás Marconi Perillo
- Este é o Brasil visto do alto da Estação Espacial Internacional; veja fotos
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.