CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
DOMINGO, 23 DE SETEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bolsonaro cogita divulgar carta para acalmar mercado e defender pacificação
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Delação da JBS, que abalou o governo Temer, completa um ano nesta quinta-feira
Data Publicação:17/05/2018
Há um ano, áudios comprometedores envolvendo o presidente da República e um senador quase derrubaram o governo. Naquele dia, 17 de maio de 2017, as delações premiadas dos executivos do grupo J&F foram tornadas públicas, abalando as estruturas do governo de Michel Temer e deflagrando a mais grave crise de seu mandato, que também atingiram o tucano Aécio Neves, um de seus principais aliados.

Graças as provas apresentadas pelos irmãos Batista e mais cinco executivos do grupo, Temer se transformou no primeiro presidente brasileiro denunciado por um crime comum no exercício do mandato. Aécio, que havia disputado o segundo turno das eleições com Dilma Rousseff, virou réu em uma ação penal e viu suas pretensões políticas irem por água abaixo.

Os empresários, donos da maior processadora de proteína animal do mundo, já estavam na mira da Polícia Federal há algum tempo. Para proteger os negócios e evitar a prisão, decidiram gravar políticos em situações suspeitas. Em troca das provas que tinham, receberam benefícios, entre eles a promessa de não serem processados.

A delação rendeu até agora 91 investigações sobre o envolvimento de políticos e agentes públicos em esquemas de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e caixa dois em esferas diversas – a JBS foi a maior doadora a campanhas nas eleições de 2014.

Além das suspeitas levantadas contra Temer e Aécio, os delatores relataram repasses para campanhas dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, além de outras dezenas de nomes.

O ex-ministro Geddel Vieira Lima, Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil e Moreira Franco, ministro de Minas e Energia foram denunciados juntamente com Temer.O mesmo ocorreu com Rodrigo Rocha Loures, o “homem da mala”.

Dois amigos do emedebista, o coronel João Baptista Lima Filho e o advogado José Yunes, se tornaram réus.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Autor de atentado a Bolsonaro agiu sozinho, diz Polícia Federal
- Lula divulga carta aberta respondendo o General Mourão
- Bolsonaro inicia alimentação por via oral
- Irônico, Michel Temer avisa: desacelera, João Doria
- TCU vê indícios de lavagem de dinheiro em financiamento do BB para Val Marchiori
- Luciano Huck passa apuros em aeroporto e ironiza: Vou de táxi
- Em transmissão do hospital, Bolsonaro chora e polariza com PT
- Bob´s troca canudo de plástico por versão comestível
- Após gastar muito no tratamento, Catra deixou apenas músicas inéditas para os filhos
- Bolsonaro é submetido a cirurgia de emergência, mas passa bem
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.