CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
TERÇA-FEIRA, 17 DE JULHO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Campeão dentro e fora de campo! Mbappé doa prêmios para caridade
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Sigla destitui advogado e quer desistir de liminar para não beneficiar Lula
Data Publicação:10/04/2018
O presidente do nanico PEN (Partido Ecológico Nacional), Adilson Barroso, destituiu nesta terça (10) o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, para atuar em nome do partido em uma ação que questiona no Supremo Tribunal Federal a constitucionalidade das prisões em segunda instância.

A destituição, confirmada por Kakay, foi anunciada por Adilson Barroso na segunda (9) porque a ação poderia beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso desde sábado (7). Com a medida, o PEN informou que tentará desistir de um pedido de liminar feito por Kakay na semana passada.

"Quando a gente entrou com esse processo [em 2016], Lula não era nem condenado", justificou o presidente do PEN, que disse que não quer ajudar Lula. "Ele é de esquerda e eu sou de direita, nunca votei no PT pra nada."

Kakay pediu ao Supremo para suspender todas as prisões de condenados em segundo grau, e soltar pessoas presas nessas circunstâncias, até o julgamento final (de mérito) de duas ADCs (ações declaratórias de constitucionalidade) que tratam do tema -uma delas é a de autoria do PEN.

O relator das ADCs, ministro Marco Aurélio, disse que pretende levar o pedido de liminar para o plenário do STF votar nesta quarta (11).

EFEITO PRÁTICO

Pela lei, o PEN não pode desistir agora da ação que ajuizou em 2016. Mas a lei não diz se o autor pode desistir de pedido de liminar feito no âmbito da ação principal. Caso o ministro Marco Aurélio leve a liminar ao plenário nesta quarta, é possível que haja discussão sobre isso.

Kakay afirmou que, mesmo que o PEN retire o pedido de liminar, o IGP (Instituto de Garantias Penais), que reúne criminalistas renomados, fez pedido semelhante na segunda-feira (9), o que, para ele, garantiria o andamento. O IGP é amicus curiae (amigo da corte, em latim) na ação, e quem assinou o pedido pelo instituto também foi Kakay.

O presidente do IGP, Ticiano Figueiredo, afirmou que o instituto tem plena confiança em Kakay para atuar nesse caso e espera que o Supremo julgue o pedido de liminar.

"Como a liminar integra a ação principal, da mesma forma que [o autor] não pode desistir do mérito, entendo que não pode desistir da liminar. Espero que o Supremo não caia na tentação política, como o PEN, e desvie o foco da discussão da constitucionalidade [das prisões em segunda instância]", disse Figueiredo.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Turista morre após acidente em brinquedo no Beach Park, no Ceará
- Cármen Lúcia suspende resolução que permitia cobrar até 40% por procedimentos de saúde
- Acidente deixa oito mortos e mais de 50 feridos em rodovia de MG
- Menina de 5 anos é estuprada e morta em Minas Gerais; vizinho suspeito é preso
- Polícia Federal vai investigar novas ameaças a Sergio Moro
- PCC é a maior organização criminosa da América do Sul, diz promotor a jornal
- Gleisi rechaça decisão de juíza que proíbe Lula de dar entrevistas
- Policiais de Brasil, Bolívia e Peru desarticulam quadrilha internacional
- Modelo é mordida por tubarão ao posar para foto nas Bahamas
- Temer revela seu maior medo caso seja preso
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.