CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
DOMINGO, 10 DE DEZEMBRO DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
Em convenção, Alckmin é eleito presidente do PSDB e partido polariza com Lula em 2018
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Pesquisa sobre dose diluída da vacina da febre amarela
Data Publicação:27/07/2017
A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) testará a eficácia de uma dose diluída da vacina da febre amarela. Trata-se da segunda parte de um estudo realizado pela primeira vez em 2009, quando 900 homens receberam a vacina diluída pela primeira vez. Agora, a entidade está avaliando se anticorpos contra o vírus se mantêm a longo prazo. A iniciativa tem financiamento da organização britânica Wellcome Trust e apoio da Organização Mundial de Saúde. O trabalho de campo está sendo concluído, mas a Fiocruz fará ainda os testes laboratoriais para concluir os estudos. “Se esse grupo se mantiver protegido, isso vai dar uma confiança de que doses reduzidas permitem imunidade a longo prazo”, diz Reinaldo Menezes, consultor da Fiocruz e coordenador científico dos testes. A perspectiva é que os resultados sejam divulgados até o final do ano. Em março, o Ministério da Saúde avaliou adotar um método fracionamento da vacina no Brasil em face da demanda pelo imunizante. A medida, no entanto, não chegou a ser adotada."O fracionamento não é trivial e tem que ser feita toda uma mudança na produção. Não é assim na semana que vem", diz Menezes. Uma das questões é a compra de uma seringa especial em larga escala para a administração da dose de 0,1 ml -- ao invés de 0,5 ml. "Ela não existe no mercado. Deve ser feita uma compra internacional." Na diluição, há a presença de menos cópias do vírus na vacina; já no fracionamento, a vacina é administrada em uma dose menor. O princípio da eficácia, contudo, é o mesmo. Quando o Ministério da Saúde cogitou o fracionamento, uma das questões levantadas era sobre o tempo de eficácia, já que os estudos com a dose diluída haviam acompanhado indivíduos por 10 meses e a vacina protege por 10 anos. "Isso não significa que a vacina diluída não protege, só indica que a efetividade precisa ser avaliada e é isso o que vamos fazer." A vacina diluída poderá ser usada em situações emergenciais, já que hoje há apenas dois grandes laboratórios que produzem a vacina no mundo: Biomanguinhos, ligado à Fiocruz, e a empresa Sanofi Pasteur, com sede na França. As iniciativas também serão discutidas em painel na 19ª Jornada Nacional de Imunizações SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), que acontece em São Paulo, entre 9 e 12 de agosto. “A investigação sobre a eficácia da diluição da vacina é importante porque doenças como a febre amarela estão em expansão no mundo e há a previsão de aumento na demanda”, diz Reinaldo Menezes, consultor da Fiocruz. Diluição garantiu imunidade Na primeira parte do estudo, feito em 2008 e 2009, 900 homens receberam a vacina diluída. Com os resultados, pesquisadores atestaram a eficácia do imunizante em uma diluição que pode chegar a 50 vezes menor que a dose usualmente aplicada. “Essa diluição significa que há 50 vezes menos cópias do vírus”, explica Menezes. As pessoas que receberam a vacina nessa primeira fase foram acompanhadas por 10 meses – e a proteção se manteve. Agora, com os testes de 2017, será possível analisar se o imunizante é capaz de proteger indivíduos por um tempo maior. A entidade já conseguiu contato com um terço dos participantes que participaram do primeiro estudo feito há 8 anos. Ainda, a Fiocruz planeja novos estudos para 2018 – dessa vez, com testes da vacina diluída em crianças para comprovar também a efetividade da estratégia nessa faixa etária. Medida ajudou a combater surto no Congo No ano passado, os estudos de diluição realizados na Fiocruz ajudaram a Organização Mundial de Saúde a combater surto de febre amarela na República Democrática do Congo. Por recomendação da OMS, a vacina de 0,5 ml foi fracionada e o país aplicou uma dose 5 vezes menor: de 0,1 ml. “Já que atestamos que uma diluição de até 50 vezes era eficaz, a conclusão é que um fracionamento em cinco vezes poderia ser utilizado para ampliar a oferta da vacina em face da emergência”, explica Menezes. A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) testará a eficácia de uma dose diluída da vacina da febre amarela. Trata-se da segunda parte de um estudo realizado pela primeira vez em 2009, quando 900 homens receberam a vacina diluída pela primeira vez. Agora, a entidade está avaliando se anticorpos contra o vírus se mantêm a longo prazo. A iniciativa tem financiamento da organização britânica Wellcome Trust e apoio da Organização Mundial de Saúde. O trabalho de campo está sendo concluído, mas a Fiocruz fará ainda os testes laboratoriais para concluir os estudos. “Se esse grupo se mantiver protegido, isso vai dar uma confiança de que doses reduzidas permitem imunidade a longo prazo”, diz Reinaldo Menezes, consultor da Fiocruz e coordenador científico dos testes. A perspectiva é que os resultados sejam divulgados até o final do ano. Em março, o Ministério da Saúde avaliou adotar um método fracionamento da vacina no Brasil em face da demanda pelo imunizante. A medida, no entanto, não chegou a ser adotada."O fracionamento não é trivial e tem que ser feita toda uma mudança na produção. Não é assim na semana que vem", diz Menezes. Uma das questões é a compra de uma seringa especial em larga escala para a administração da dose de 0,1 ml -- ao invés de 0,5 ml. "Ela não existe no mercado. Deve ser feita uma compra internacional." Na diluição, há a presença de menos cópias do vírus na vacina; já no fracionamento, a vacina é administrada em uma dose menor. O princípio da eficácia, contudo, é o mesmo. Quando o Ministério da Saúde cogitou o fracionamento, uma das questões levantadas era sobre o tempo de eficácia, já que os estudos com a dose diluída haviam acompanhado indivíduos por 10 meses e a vacina protege por 10 anos. "Isso não significa que a vacina diluída não protege, só indica que a efetividade precisa ser avaliada e é isso o que vamos fazer." A vacina diluída poderá ser usada em situações emergenciais, já que hoje há apenas dois grandes laboratórios que produzem a vacina no mundo: Biomanguinhos, ligado à Fiocruz, e a empresa Sanofi Pasteur, com sede na França. As iniciativas também serão discutidas em painel na 19ª Jornada Nacional de Imunizações SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), que acontece em São Paulo, entre 9 e 12 de agosto. “A investigação sobre a eficácia da diluição da vacina é importante porque doenças como a febre amarela estão em expansão no mundo e há a previsão de aumento na demanda”, diz Reinaldo Menezes, consultor da Fiocruz. Diluição garantiu imunidade Na primeira parte do estudo, feito em 2008 e 2009, 900 homens receberam a vacina diluída. Com os resultados, pesquisadores atestaram a eficácia do imunizante em uma diluição que pode chegar a 50 vezes menor que a dose usualmente aplicada. “Essa diluição significa que há 50 vezes menos cópias do vírus”, explica Menezes. As pessoas que receberam a vacina nessa primeira fase foram acompanhadas por 10 meses – e a proteção se manteve. Agora, com os testes de 2017, será possível analisar se o imunizante é capaz de proteger indivíduos por um tempo maior. A entidade já conseguiu contato com um terço dos participantes que participaram do primeiro estudo feito há 8 anos. Ainda, a Fiocruz planeja novos estudos para 2018 – dessa vez, com testes da vacina diluída em crianças para comprovar também a efetividade da estratégia nessa faixa etária. Medida ajudou a combater surto no Congo No ano passado, os estudos de diluição realizados na Fiocruz ajudaram a Organização Mundial de Saúde a combater surto de febre amarela na República Democrática do Congo. Por recomendação da OMS, a vacina de 0,5 ml foi fracionada e o país aplicou uma dose 5 vezes menor: de 0,1 ml. “Já que atestamos que uma diluição de até 50 vezes era eficaz, a conclusão é que um fracionamento em cinco vezes poderia ser utilizado para ampliar a oferta da vacina em face da emergência”, explica Menezes.


Fonte:G1



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Saiba como votou cada deputado na denúncia contra Temer
- Procuradores defendem Lava Jato nas redes sociais
- Pesquisa sobre dose diluída da vacina da febre amarela
- Sistema Unico de Saúde faz 30 anos e ONU e Harvard irão fazer pesquisa sobre o funcionamento.
- Anvisa proíbe propaganda ”com alegações terapêuticas” da Mundo Verde
- Chega a R$ 24,4 bilhões em saques das contas inativas do FGTS
- O que pode mudar na CLT com a reforma
- Odebrecht movimentou US$ 3,39 bilhões em pagamentos ilícitos
- Horário de verão gerou boa economia
- TV por assinatura perde cada vez mais clientes no país
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.