CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 13 DE DEZEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Apalpada no bumbum, sushi na boca: 5 vezes que Gracyanne e Belo se amaram (até demais)
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Preço da carne bovina pressiona a inflação
Data Publicação:08/04/2014
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) atingiu 0,96%, na primeira prévia de abril ante 0,85%, no encerramento de março. De acordo com a apuração feita pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), essa elevação de 0,11 ponto percentual  (p.p.) foi provocada, principalmente, pelo avanço no grupo alimentação (de 1,66% para 2,05%). Entre os itens que mais pressionaram a inflação estão as carnes bovinas cujos preços em média ficaram 2,48% mais caros ante uma alta de 1,61%.

Mais de três grupos de um total de oito pesquisados apresentaram aumentos de preços: saúde e cuidados pessoais (de 0,49% para 0,71%) sob o efeito dos medicamentos (de 0,04% para 0,73%); vestuário (de 0,63% para 0,97%) puxado pelo aumento de preços de roupas (de 0,80% para 1,28%) e despesas diversas (de 0,26% para 0,36%) com destaque para a cobrança dos serviços em clínica veterinária (de 0,78% para 1,32%).

Já em comunicação, o consumidor foi favorecido pela queda na média de preços em 0,08% ante uma alta de 0,05%. O principal motivo foi o recuo da tarifa de telefone residencial (de -0,48% para -0,63%).

Nos demais grupos ocorreram decréscimos que também ajudaram a conter o ritmo de inflação. Em educação, leitura e recreação, houve alta de 0,73% ante 0,94% com destaque para a passagem aérea (de 13,66% para 5,58%). No grupo habitação, o índice mostra elevação de 0,53% ante 0,56% com a perda de velocidade no valor pago aos empregados domésticos (de 1,12% para 0,89%) e, em transportes, foi constatada variação de 0,63% ante 0,69%. Neste caso, a contribuição veio da tarifa de ônibus urbano (de 0,33% para -0,16%).

Os cinco itens que mais influenciaram o avanço do IPC-S são: batata-inglesa com alta de 44,30%; tomate (30,30%); refeições em bares e restaurantes (1,07%) ; leite longa vida (4,17%) e gasolina (0,94%). Em sentido oposto, os que ajudaram a frear o avanço do índice foram: frango em pedaços (-2,46%); maçã (-5,98%); tarifa de telefone residencial (-0,63%); alimentos preparados e congelados de aves (-2,19%) e tarifa de táxi (-1,61%).


Fonte:ag brasil



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Apalpada no bumbum, sushi na boca: 5 vezes que Gracyanne e Belo se amaram (até demais)
- Bolsonaro quer aposentadoria de servidores públicos só depois dos 65
- Com classe dividida, líderes de caminhoneiros decidem não aderir à paralisação
- Guedes anuncia seis secretários da nova equipe econômica
- Ibama nega licença para francesa Total explorar petróleo no Amazonas
- Mais uma mulher acusa João de Deus de abuso sexual
- Professor confessa estupro em aluno de 9 anos porque `estava triste´
- Segurança do Carrefour confirma agressão a cão, mas diz estar arrependido
- PMs elogiados por Bolsonaro visitam idosa feita refém
- Bolsonaro vira assistente de acusação e terá acesso a informações sigilosas de Adélio Bispo
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.