CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
DOMINGO, 16 DE DEZEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Futuro ministro, Heleno isenta Bolsonaro no caso Coaf: Valor irrisório
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Pobreza afeta capacidade mental das pessoas
Data Publicação:31/08/2013
Os esforços para enfrentar problemas materiais básicos esgotam a capacidade mental das pessoas pobres, o que as deixa com pouca energia cognitiva para se dedicar à sua educação, destacou um estudo publicado esta quinta-feira nos Estados Unidos.

Esta mobilização de capacidades cerebrais para superar situações estressantes, como a incógnita de saber se haverá dinheiro suficiente para alimentar a família ou pagar o próximo aluguel, pode representar uma redução de 13 pontos no CI (coeficiente intelectual) de uma pessoa, isto é, uma queda de 10% com relação à média da população.

Uma diminuição deste tipo das capacidades mentais equivale àquela que um indivíduo sofre ao perder uma noite de sono, explicaram os cientistas, cujo estudo foi publicado na revista americana Science.

"Para muitos pobres, estes problemas se tornam tão persistentes que é difícil se concentrar em outras coisas como educação, formação profissional ou inclusive a organização do tempo", explicou Sendhil Mullainathan, economista da Universidade de Harvard, um dos principais autores do estudo.

"Isto não significa que os pobres sejam menos inteligentes que os demais, mas que a pobreza mobiliza muita energia mental", insistiu. "É como um computador que é lento porque está carregando um vídeo longo demais".

"A pobreza costuma ser vista como resultado de fracasso pessoal ou a consequência de ter sido criado em um ambiente desfavorável, mas nosso estudo mostra que a falta de recursos financeiros pode, por si só, deteriorar as funções cognitivas", disse Jiayingt Zhao, professor adjunto de psicologia da Universidade da Columbia Britânica, no Canadá.

Para este estudo, os cientistas fizeram experimentos com 400 pessoas escolhidas ao acaso em um centro comercial de Nova Jersey entre 2010 e 2011, com renda anual média de US$ 20 mil a US$ 70 mil dólares.

Aliviar preocupações

Os cientistas submeteram os participantes, divididos em dois grupos, um formado por ricos e outro por pobres, a situações diferentes, como ter que fazer um grande conserto no carro (ao custo de US$ 1,5 mil) ou pagar uma conta muito mais barata (US$ 150), e os submeteram a testes cognitivos e de controle.

Confrontados a problemas financeiros facilmente superáveis, os pobres obtiveram resultados comparáveis aos ricos nestes testes. Mas com problemas econômicos onipresentes, os menos favorecidos registraram resultados claramente inferiores às provas, com uma diferença de até 13 pontos de CI.

Os autores do estudo repetiram este experimento na Índia com agricultores que cultivavam cana-de-açúcar e que recebiam o fruto de seu trabalho uma vez por ano. Eles comprovaram que ficavam mais ricos um mês depois da colheira e muito pobres um mês antes de terminar seus ganhos do ano anterior.

Quando submetidos aos mesmos testes cognitivos feitos pelos grupos de Nova Jersey, os agricultores indianos vieram aumentar seu CI em quase 10 pontos depois da colheita em relação ao mês anterior, afirmaram os cientistas.

Os resultados destes trabalhos poderiam ter implicações no campo das políticas sociais e inspirar soluções para problemas vinculados à pobreza, sem aumentar ao contrário a quantia de ajuda financeira. Segundo eles, se trataria sobretudo de atender às preocupações que fazem reduzir a carga cognitiva dos pobres.

"Um dos grandes desafios nos Estados Unidos para as famílias de baixos rendimentos é encontrar uma creche para seus filhos", informou à AFP Eldar Shafir, professor de psicologia da Universidade de Princenton, outro co-autor do estudo.

"É um enorme peso sobre suas capacidades mentais que, se não existisse, permitiria a estas pessoas ir trabalhar e aumentar seu CI", avaliou, destacando que "o sistema de apoio aos pobres está mais desenvolvido na Europa" do que nos Estados Unidos.


Fonte:band



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Futuro ministro, Heleno isenta Bolsonaro no caso Coaf: Valor irrisório
- Mulher que denunciou abusos de João de Deus cometeu suicídio, diz jornal
- Apalpada no bumbum, sushi na boca: 5 vezes que Gracyanne e Belo se amaram (até demais)
- Bolsonaro quer aposentadoria de servidores públicos só depois dos 65
- Com classe dividida, líderes de caminhoneiros decidem não aderir à paralisação
- Guedes anuncia seis secretários da nova equipe econômica
- Ibama nega licença para francesa Total explorar petróleo no Amazonas
- Mais uma mulher acusa João de Deus de abuso sexual
- Professor confessa estupro em aluno de 9 anos porque `estava triste´
- Segurança do Carrefour confirma agressão a cão, mas diz estar arrependido
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.