CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 23 DE MARÇO DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
União estável entre pessoas do mesmo sexo passa a ser reconhecida pelo Código Civil
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
Odebrecht movimentou US$ 3,39 bilhões em pagamentos ilícitos
Data Publicação:09/03/2017
Em depoimento dado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta segunda-feira (6), Hilberto Mascarenhas, ex-funcionário da Odebrecht, disse que a empreiteira movimentou cerca de US$ 3,39 bilhões em pagamentos ilícitos entre 2006 e 2014. O executivo trabalhou no Setor de Operações Estruturadas, apontado pela Operação Lava Jato como o "departamento da propina" da empreiteira. De acordo com reportagem da Folha de S.Paulo, o executivo afirmou, também, que entre 15% a 20% deste valor (algo em torno de US$ 500 milhões a US$ 680 milhões) eram destinados ao financiamento de campanhas eleitorais via caixa 2. O restante pagava propinas, obras e serviços no exterior. Hilberto Mascarenhas disse ao ministro Herman Benjamin, relator da ação que pede no TSE a cassação da chapa Dilma-Temer por abuso de poder político e econômico, que a empresa corrompeu agentes públicos na Angola e em países da América Latina, além de ter detalhado pagamentos feitos aos marqueteiros Duda Mendonça e João Santana, já condenado a oito anos e quatro meses na Operação Lava Jato. Segundo Mascarenhas, passaram pelo departamento US$ 60 milhões em 2006; US$ 80 milhões em 2007; 120 milhões em 2008; US$ 260 milhões em 2009; US$ 420 milhões em 2010; 520 milhões em 2011; US$ 730 milhões em 2012; US$ 750 milhões em 2013; e US$ 450 milhões em 2014. O ex-vice-presidente da Odebrecht, Claudio Melo Filho, confirmou segunda-feira (6), em depoimento ao TSE que o presidente Michel Temer pediu "apoio financeiro" da empreiteira ao partido durante as eleições de 2014. Melo Filho foi ouvido pelo ministro do TSE Herman Benjamin, em Brasília, no âmbito da ação que pede a cassação da chapa Dilma-Temer na campanha de 2014. Melo Filho reiterou o teor da sua delação premiada em que descreveu um jantar ocorrido no Palácio do Jaburu em maio 2014. Segundo Melo Filho, no encontro, Temer, que na época ocupava o cargo de vice-presidente e pleiteava a reeleição, pediu apoio financeiro ao seu partido, mas não falou em valores. No jantar estavam Temer, Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo, e Eliseu Padilha, hoje ministro da Casa Civil. Segundo a delação, naquele encontro ficou definido o repasse de R$ 10 milhões da empreiteira ao PMDB. Jantar Claudio Melo Filho revelou, em delação premiada que acabou vazando em dezembro de 2016, que em maio de 2014, Temer teria solicitado, no jantar, "direta e pessoalmente" a Marcelo Odebrecht apoio financeiro para as campanhas do PMDB em 2014. >> Primeira das 77 delações da Odebrecht atinge Temer, cúpula do PMDB e aliados "No jantar, acredito que considerando a importância do PMDB e a condição de possuir o vice-presidente da República como presidente do referido partido político, Marcelo Odebrecht definiu que seria feito pagamento no valor de R$ 10 milhões. Claramente, o local escolhido para a reunião foi uma opção simbólica voltada a dar mais peso ao pedido de repasse financeiro que foi feito naquela ocasião", diz o executivo. Já Marcelo Odebrecht teria confirmado, em seu depoimento prestado no dia 1º de março ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o encontro com Michel Temer durante conversas sobre campanha de 2014. Contudo, o empresário teria negado que acertou com Temer o valor para a doação. Segundo Marcelo, o valor já havia sido acertado anteriormente entre o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o executivo Cláudio Melo Filho. Ele admitiu que parte dos pagamentos pode ter sido feita via caixa 2.


Fonte:jornal do brasil



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Odebrecht movimentou US$ 3,39 bilhões em pagamentos ilícitos
- Horário de verão gerou boa economia
- TV por assinatura perde cada vez mais clientes no país
- Marinha decide desativar único porta-aviões
- Ligação de fixo para celular ficará mais cara segundo a Anatel
- Laudo constata que choque com queda de avião matou Teori Zavascki
- Nova licitação do Planalto prevê R$ 356 mil para comprar pães, croissants, frutas e verduras
- Juiz relator da Lava Jato estava no avião que caiu no litoral do Rio
- Material escolar apresenta diferença de preço de até 457%
- GRUPO MUFFATO ESTIMA CRESCIMENTO DE 15% COM LIQUIDAÇÃO ANUAL
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.