CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
Em convenção, Alckmin é eleito presidente do PSDB e partido polariza com Lula em 2018
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Em convenção, Alckmin é eleito presidente do PSDB e partido polariza com Lula em 2018
Data Publicação:10/12/2017
O PSDB elegeu neste sábado o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, como o novo presidente da legenda e aproveitou a convenção partidária para reeditar em discursos a "polarização" com o ex-presidente e atual líder das pesquisas de intenção de voto Luiz Inácio Lula da Silva na próxima disputa ao Palácio do Planalto.

Nos pronunciamentos, os tucanos minimizaram a força eleitoral e criticaram o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), segundo colocado nas sondagens para presidente da República. Também pouparam de críticas o governo do presidente Michel Temer, após a recente saída dos dois principais ministros da legenda da Esplanada, Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Bruno Araújo (Cidades).

Com discurso de candidato ao Planalto, Alckmin fez um duro pronunciamento contra as gestões do PT no governo federal. "A ilha da fantasia petista nunca foi a terra prometida. A ilusão petista acabou em pesadelo na maior crise econômica e ética da história do país", acusou.

O tucano mirou Lula como alvo ao dizer que os brasileiros estão "vacinados" contra o modelo lulo-petista de confundir para governar. "Depois de ter quebrado o Brasil, o Lula disse que quer voltar ao poder. Ele quer voltar à cena do crime?", questionou.

Segundo Alckmin, o ex-presidente vai ser condenado pela maior recessão da história, que gerou 15 milhões de desempregados, do desgoverno que destruiu a Petrobras e deixou uma série de obras inacabadas e ainda por ter incitado o conflito entre os poderes. Para ele, Lula é o "grande responsável" pela década perdida.

O presidente eleito do PSDB, que busca se viabilizar presidenciável com o apoio do PMDB de Temer, foi um dos raros que fez aceno ao atual presidente. Alckmin fez questão de registrar os "esforços" do atual governo que começou a reverter o cenário de tragédia econômica.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deu o tom do discurso de polarização com o ex-presidente Lula na disputa presidencial. "Prefiro combatê-lo nas urnas a vê-lo na cadeia", disse.

FHC disse que o partido precisa se reconectar com a sociedade, ir conversar com o povo nas ruas. Afirmou que as pessoas querem decência, emprego, saúde e segurança após a "tragédia" pela qual o país passou com milhões de desempregados, as finanças desorganizadas e um sem número de processos de corrupção.

Embora tenha elogiado a disposição do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, de concorrer às prévias do partido para candidato a presidente, o ex-presidente fez acenos a Alckmin, chamando o de "simples".

Em um dos discursos, o prefeito de São Paulo, João Dória, declarou "apoio incondicional" a Geraldo Alckmin para o comando do PSDB e para alcançar a presidência da República. "Esse é o discurso da unidade que vai à vitória em 2018", disse Dória, que chegou a ser cotado a candidato presidencial, mas no momento busca garantir uma candidatura ao governo de São Paulo.

Dória apontou o PT como o principal adversário dos tucanos, na tentativa de reeditar a polarização eleitoral na disputa ao Palácio do Planalto que ocorre desde 1994, quando Fernando Henrique Cardoso venceu Lula pela primeira vez. "Lá (em São Paulo) arrasamos o PT no ano passado (na eleição municipal). Não há mais cinturão vermelho. Lá só deu PSDB", disse.

O governador de Goiás, Marconi Perillo, também disse que não haverá polarização dos extremos e considerou que o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) não tem força e consistência para liderar o país e que o PSDB tem condições de derrotar Lula no próximo ano.

"Não acredito na vitória do Lula a quem um dia já chamei de canalha. Esperamos que nós possamos enfrentar o Lula como o presidente Fernando Henrique Cardoso, que ganhou dele duas vezes", disse.

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que foi presidente interino do partido durante a maior parte do período de afastamento do senador Aécio Neves da presidência da legenda, defendeu que o Brasil precisa do PSDB "mais do que nunca" porque não pode conviver com o extremismo e o populismo. "O Brasil precisa de um gestor equilibrado e com propostas sensatas, não com propostas demagógicas que não vão levar o Brasil a lugar nenhum", disse Tasso.

Em meio ao discurso de Tasso, houve uma confusão entre militantes tucanos que chegaram até a arremessar cadeiras. Tasso disse que o episódio não condizia com a busca de união do partido. "Isso não é digno do momento que estamos vivendo", afirmou.

O senador José Serra (PSDB-SP), que já concorreu e perdeu duas vezes para petistas na corrida presidencial, disse que é preciso evitar o "populismo salvacionista".

"Não podemos deixar que o Brasil seja levado para essa radicalização que nos levará a um caminho muito pior - temos de evitar", disse. "Temos o dever de governar o Brasil até para frear o desenvolvimento desses extremismos que vai nos levar a um resultado desastroso", completou. Envolvido na delação de executivos da JBS, o senador Aécio Neves não subiu ao palco da solenidade e tampouco foi mencionado nos pronunciamentos.

Na entrada da convenção, Aécio disse que Alckmin terá todas as condições de levar o PSDB a reafirmar os seus compromissos em favor das transformações. "Estamos prontos para ser o ponto de equilíbrio que o país precisa para voltar a crescer", disse. Ele falou com a imprensa na chegada, votou e saiu em silêncio.

No discurso, o prefeito de Manaus (AM), Arthur Virgílio, foi o único a indiretamente citar o envolvimento do partido em escândalos. Ele defendeu a punição de correligionários envolvidos em corrupção.

Ao contrário do que desejava aliados de Alckmin, de ungi-lo presidente do PSDB e candidato único ao Planalto no evento deste sábado, Arthur Virgílio insistiu e colocou seu nome como pré-candidato. Ele disse que não aceitará uma coligação com o PT ou PMDB.

"Seremos capazes de derrotar indo pelo centro contra o fascista homofóbico e o meliante que quer voltar a ser presidente", disse ele, referindo-se a Bolsonaro e Lula.

Estiveram presentes poucas lideranças de partidos, nenhuma delas do PMDB. Participaram ou passaram pelo evento os presidentes do PPS, Roberto Freire, e do PTB, Cristiane Brasil, e representantes do PSC, PR e PSB, como o vice-governador de São Paulo, Márcio França.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Saiba o que definiu a ida de Brizola Neto para o ministério do Trabalho
- Câmara dos Deputados estuda aplicar Ficha Limpa para servidores.
- Candidatos para a Prefeitura de São Paulo almejam as eleições de 2014
- Crivella toma posse como ministro da Pesca
- Para Serra, governo não deslanchou
- Marina Silva chama de farsa a tentativa ruralista de mudar Código Florestal
- PEC das MPs: senadores cobram votação
- Prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes descarta favoritismo na próxima eleição
- Presidente da Conab entrega carta de demissão ao Palácio do Planalto
- Lei da Ficha Limpa volta a ser julgada pelo STF na próxima semana
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.