CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 23 DE FEVEREIRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Agência de classificação de risco Fitch rebaixa nota de crédito do Brasil
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Diniz sabotou atual gestão da Fecomércio, diz MPF
Data Publicação:23/02/2018
RIO - O presidente da Fecomércio-RJ, Orlando Diniz, preso hoje pela força-tarefa da Lava-Jato no Rio, usou de sua influência na organização para sabotar a gestão do interventor na unidade, disse o Ministério Público Federal. Através de aliados, ele também teria chegado a oferecer pagamentos indevidos de jetons para que conselheiros da entidade não comparecessem a reuniões.

Segundo os investigadores, a mando de Diniz, que foi afastado do comando do Sistema S, Plínio José Freitas Travassos Martins, Marcelo José Salles de Almeida e Marcelo Fernando Novaes Moreira - todos alvos de mandados de prisão provisória já cumpridos - ligaram para conselheiros da Fecomércio-RJ para convencê-los a não irem a reuniões do conselho. Os acusados ofereceram o pagamento indevido de jetons (de R$ 3 mil) por reuniões que eles faltassem. Em um dos encontros boicotados, realizado no fim de janeiro, o atual interventor apresentaria um balanço das irregularidades apuradas na gestão de Diniz.

O procurador José Vagos diz que a prisão preventiva de Diniz foi a única solução encontrada para impedir que ele continuasse interferindo nas investigações.

PUBLICIDADE

— Ele se mostrou um investigado que praticava atos de contrainteligência. Tem como costume ocultar documentos, pedindo que outras pessoas os guardassem. Mesmo afastado, continuou exercendo influência na organização para sabotar a atual gestão.

O procurador Felipe Bogado diz ainda que Diniz forjava documentos para ocultar a existência dos funcionários fantasmas, conhecidos como jabutis, no Sistema S.

— Quando os jabutis eram selecionados por sorteio em auditorias de órgãos de controle como a CGU e o TCU havia um quiprocó na Fecomércio-RJ, porque eles não tinham ficha funcional ou folha de ponto. Eles formavam documentos para colocar nas pastas funcionais - explica.


Fonte:oglobo.globo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Dilmistas avaliam ir à Corte Interamericana de Direitos Humanos para barrar impeachment
- LULA SE COMPLICA COM DELAÇÃO BALA DE PRATA DE EX-PRESIDENTE DA OAS, NA LAVA JATO
- Planalto adota ‘operação mão de gato’ para tirar Cunha de cena
- Pesquisa de intenção de voto mostra Lula na liderança para 2018
- Relator dá parecer favorável a Cunha na CCJ sobre Conselho de Ética
- Temer suspende nomeações para estatais e fundos de pensão até Câmara aprovar projeto que obriga qualificação técnica
- Goias, Goiânia:PMDB goiano diz que Iris não precisa de prazo para definir candidatura
- Por estabilidade social, Temer tenta aproximação com sem-teto e sem-terra
- Deputados já falam em reajustar o próprio salário, que passaria para R$ 39,3 mil
- Publicadas no Diário Oficial exonerações de ministros do governo Dilma
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.