CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 28 DE ABRIL DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
Estudar para o ENEM ficou mais fácil do que nunca!
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Michel Temer sanciona leis em favor das mulheres
Data Publicação:13/04/2017
Em meio à crise política que assola o país, o presidente Michel Temer afirmou que o governo não pode parar, se referindo indiretamente à divulgação de nomes de ministros e parlamentares que estariam envolvidos com a Operação Lava Jato. A fala presidencial foi durante ato para sancionar leis favoráveis às mulheres. Pelas leis sancionadas, está proibido o uso de algemas em mulheres durante ou no período pós-parto. Outra regra instituí o mês de agosto como do aleitamento materno e a garantia de acompanhamento da mãe sobre a amamentação. Um decreto garantiu um indulto especial a mulheres presas no Dia das Mães. O presidente também sancionou lei que inclui a estilista Zuzu Angel, que morreu em circunstâncias não esclarecidas durante a ditadura militar, no Livro dos Heróis da Pátria. Durante a solenidade, Temer disse que algumas medidas de governo podem parecer "triviais", mas "são de importância extraordinária". "Aqui no Brasil, se não tomarmos cuidado, daqui a pouco achamos que o Executivo não opera, o Legislativo não opera, o Judiciário não opera. E não é assim. Quando nós criamos a repartição dos órgãos do governo foi precisamente para dar agilidade a toda a atividade pública. Cada um cumpre o seu papel", disse ele. O presidente da República acrescentou que seu governo tem "apoio especialíssimo" do Congresso Nacional. "Quero muito ressaltar sempre que o Executivo só funciona porque tem apoio do Congresso. Evidentemente nas eventuais divergências ou interpretações equivocadas, quem vai dar a palavra é o Judiciário. É isso que temos que prestigiar cada vez mais", afirmou. "Portanto, não podemos jamais paralisar o governo. Temos que dar sequência ao governo, dar sequencia à atividade legislativa, dar sequencia à atividade judiciária. E nesse particular, em todos os poderes, está presente a mulher. É fundamental para o desenvolvimento no país", disse.


Fonte:ag brasil



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Cunha apresentará em fevereiro recursos à decisão do STF sobre impeachment
- Líderes de países do Mercosul prestam apoio a Dilma por impeachment
- Residência de Edison Lobão também é alvo de buscas da Operação Catilinárias
- Bancada do PT diz que vai pedir suspensão de Delcídio ao partido
- Mercado reage à decisão de Cunha deve ser negativa
- Eduardo Cunha aceita pedido de impeachment contra Dilma
- Dilma reage às pressões de Lula e do PT e afirma que Levy fica na Fazenda
- Cunha deixa para terça decisão sobre impeachment de Dilma
- A crise política conseguiu um feito: quase todo mundo sairá
- Cunha reitera declaração à CPI de que não tem conta no exterior
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.