CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 23 DE FEVEREIRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Agência de classificação de risco Fitch rebaixa nota de crédito do Brasil
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Diniz sabotou atual gestão da Fecomércio, diz MPF
Data Publicação:23/02/2018
RIO - O presidente da Fecomércio-RJ, Orlando Diniz, preso hoje pela força-tarefa da Lava-Jato no Rio, usou de sua influência na organização para sabotar a gestão do interventor na unidade, disse o Ministério Público Federal. Através de aliados, ele também teria chegado a oferecer pagamentos indevidos de jetons para que conselheiros da entidade não comparecessem a reuniões.

Segundo os investigadores, a mando de Diniz, que foi afastado do comando do Sistema S, Plínio José Freitas Travassos Martins, Marcelo José Salles de Almeida e Marcelo Fernando Novaes Moreira - todos alvos de mandados de prisão provisória já cumpridos - ligaram para conselheiros da Fecomércio-RJ para convencê-los a não irem a reuniões do conselho. Os acusados ofereceram o pagamento indevido de jetons (de R$ 3 mil) por reuniões que eles faltassem. Em um dos encontros boicotados, realizado no fim de janeiro, o atual interventor apresentaria um balanço das irregularidades apuradas na gestão de Diniz.

O procurador José Vagos diz que a prisão preventiva de Diniz foi a única solução encontrada para impedir que ele continuasse interferindo nas investigações.

PUBLICIDADE

— Ele se mostrou um investigado que praticava atos de contrainteligência. Tem como costume ocultar documentos, pedindo que outras pessoas os guardassem. Mesmo afastado, continuou exercendo influência na organização para sabotar a atual gestão.

O procurador Felipe Bogado diz ainda que Diniz forjava documentos para ocultar a existência dos funcionários fantasmas, conhecidos como jabutis, no Sistema S.

— Quando os jabutis eram selecionados por sorteio em auditorias de órgãos de controle como a CGU e o TCU havia um quiprocó na Fecomércio-RJ, porque eles não tinham ficha funcional ou folha de ponto. Eles formavam documentos para colocar nas pastas funcionais - explica.


Fonte:oglobo.globo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Pesquisa mostra que brasileiros estão satisfeitos com Dilma Rousseff, mas querem Lula em 2014
- Governo espera relator para negociar Código Florestal
- Dilma Rousseff chega aos EUA disposta a impor peso político do Brasil a Obama
- Comissão aprova fim dos 14º e 15º salários para deputados federais e senadores
- Marco Maia diz que trabalha para amenizar crise entre governo e Congresso
- Demóstenes Torres pede afastamento da liderança do DEM no Senado
- Dilma viaja hoje para a Índia e deve ficar uma semana fora do Brasil
- José Serra é escolhido candidato pelo PSDB à Prefeitura de São Paulo
- Seminário discute os conselhos nos canais públicos de comunicação
- Antes do prazo TSE proíbe a utilização do Twitter para propaganda eleitoral
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.