CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 19 DE NOVEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Pesquisadores criam IA capaz de burlar sistemas de impressão digital
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Luciano Huck ajudou a barrar nota anti-Bolsonaro em movimento de renovação
Data Publicação:26/10/2018
O apresentador Luciano Huck foi um dos integrantes do movimento Agora! que barraram a articulação de uma nota da organização contra Jair Bolsonaro (PSL) e a favor de Fernando Haddad (PT) no segundo turno da eleição presidencial.

O grupo, criado em 2016 em busca de renovação política, havia decidido que não se manifestaria sobre a sucessão no primeiro turno, mas lideranças informavam nos últimos meses que haveria uma manifestação no segundo, sobretudo por causa do cenário de polarização que se avizinhava.

Uma votação, então, foi feita na semana passada, com resultado favorável à divulgação de uma nota de apoio crítico ao petista e rejeição ao deputado federal. Apesar da decisão, até esta quinta-feira (25), a três dias da votação, nenhum comunicado oficial sobre o assunto foi divulgado.

O Agora!, em nota enviada à reportagem, não esclareceu detalhes da votação nem o motivo pelo qual a opção feita pela maioria dos votantes acabou invalidada. Afirmou que "as discussões do grupo são privadas" e que a organização "nasceu para promover o diálogo democrático e nesse momento está focada nos passos futuros".

"Não vamos nos manifestar como movimento", diz Huck, que defendeu a neutralidade do grupo, em consonância com os argumentos que expôs em artigo na Folha de S.Paulo e diferentemente da opinião majoritária dos colegas. Ele não participou presencialmente da votação, realizada em São Paulo na terça-feira (16).

No texto publicado no dia 13 deste mês, o apresentador da TV Globo e empresário -que quase foi pré-candidato à Presidência da República- fez críticas tanto a Haddad quanto a Bolsonaro. Ele deixou em aberto seu posicionamento e disse que será uma "resistência positiva" a qualquer um que for eleito.

No sábado (20), em conversa de vídeo com seguidores no Facebook, o comunicador falou que não se posicionou "a favor de nenhum candidato" ao Planalto e que vê problemas nas duas candidaturas. "No PT eu nunca votei e jamais vou votar. Isso é fato", disse.

"O Bolsonaro, de novo, não tô falando que eu... Sim, levantei os problemas e acho que as pessoas podem, sim, amadurecer, é o que eu tô falando. Tem uma chance de ouro, né, de ressignificar a política no Brasil. Vamos ver, vamos aguardar", afirmou ele, em trecho que viralizou.

A afirmação foi considerada nas redes sociais uma sinalização de apoio ao candidato do PSL, o que Huck nega. Ele disse que o conteúdo foi editado fora de contexto e que não vai declarar voto em nenhum candidato do segundo turno.

Na votação dos membros do Agora!, saiu vitorioso o entendimento de que o movimento pregasse o voto, ainda que com ressalvas, em Haddad, por acreditar que Bolsonaro tem posturas antidemocráticas e anuncia uma agenda programática divergente com a do grupo.

Heterogêneo, o movimento é formado por pessoas de diferentes visões políticas e busca, desde a fundação, ter pluralidade ideológica. Os membros são empresários, acadêmicos e ativistas sociais na faixa dos 40 anos que se juntaram com o principal objetivo de contribuir para a oxigenação do Legislativo --três membros se elegeram neste ano, dois deputados federais e um distrital.

Entre os 88 participantes da entidade estão o empresário Carlos Jereissati Filho (grupo Iguatemi), o ex-ministro e deputado eleito Marcelo Calero (PPS-RJ), o cientista político Leandro Machado e o advogado Beto Vasconcelos, secretário nacional de Justiça no governo Dilma Rousseff (PT).

Também faz parte o empresário e investidor Eduardo Mufarej, conhecido por ter idealizado o RenovaBR, uma escola de formação de novas lideranças políticas que teve 16 membros eleitos. O apresentador da Globo também é apoiador do Renova.

O embarque de Huck no movimento, em meados de 2017, foi o estopim de algumas divergências internas. Parte dos fundadores defendia que o grupo deveria se manter fiel à intenção inicial de priorizar a renovação no Legislativo.

A possibilidade de que a entidade servisse de apoio a uma eventual campanha do apresentador ao Planalto provocou insatisfação dos que viam a participação no pleito nacional como um desvirtuamento da bandeira. Em fevereiro, o comunicador desistiu de vez da candidatura.


Fonte:Yahoo.com.br



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Bolsonaro indica Tereza Cristina para o Ministério da Agricultura
- Estudo diz que 90% dos eleitores de Bolsonaro acreditaram em fake news
- Taxa de abstenção na eleição presidencial é a maior desde 1998
- Ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot declara voto em Haddad
- Datafolha: França na frente com 51%; João Doria com 49%
- Datafolha: Jair Bolsonaro, 55%; Fernando Haddad, 45%
- Luciano Huck ajudou a barrar nota anti-Bolsonaro em movimento de renovação
- Datafolha: Jair Bolsonaro 56% e Fernando Haddad 44%
- Para Alexandre de Moraes, defesa de fechamento do STF é ‘absurdo atentado verbal’
- Ministro da Cultura acusa Roger Waters de receber R$ 90 milhões para difamar Bolsonaro
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.