CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bolsonaro consegue apoio robusto nas ruas antes do segundo turno
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Tentamos chegar ao poder pelo voto, diz Bolsonaro ao lado de vice militar
Data Publicação:05/08/2018
Sob o lema "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos", o capitão reformado Jair Bolsonaro (PSL), 64, e o general da reserva Antonio Hamilton Mourão (PRTB), 46, selaram a chapa verde-oliva destas eleições, como candidatos a presidente e vice do Brasil.

Após uma procura pelo vice que envolveu outro general (Augusto Heleno), um pastor (o senador Magno Malto), uma das autoras do impeachment de Dilma Rousseff (Janaina Paschoal) e até um príncipe (Luiz Philippe de Orleans e Bragança), a parceria entre os dois egressos do Exército foi fechada neste domingo (5), na convenção nacional do PRTB (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro).

Presidente da legenda, Levy Fidelix abdicou da candidatura ao Planalto e tentará, agora, a Câmara dos Deputados. Definiu a dobradinha Bolsonaro-Mourão como o "momento mais feliz" da sua vida. PRTB e PSL têm, juntos, 8 segundos em cada bloco de 12 minutos e 30 segundos do horário eleitoral e uma inserção a cada três dias.

"Agora nós, eu e ele, estamos tentando pelo voto chegar ao poder. Nada mais cristalino, democrático do que isso", disse Bolsonaro a jornalistas ao ser questionado sobre declarações pró-intervenção militar que Mourão deu em 2017, durante palestra promovida pela maçonaria em Brasília.

Disse o general naquela ocasião: seus "companheiros do Alto Comando do Exército" entendem que uma "intervenção militar" poderá ser adotada se o Judiciário "não solucionar o problema político", em referência à corrupção de políticos.

"Não fui feliz na forma como eu respondi", reconhece o general agora. Provocado pela plateia, apenas afirmou na época, segundo ele, que "se o caos vai ser instalado, a lei vai ser desrespeitada - e democracias de massa como a nossa só se sustentam pelo primado da lei, se não houver o primado da lei é a barbárie -, então compete às Forças Armadas [intervir]. Mas felizmente tudo está caminhando e marchando da forma como a gente acha que tem que ser".

Tanto Mourão quanto Bolsonaro tentam remediar a simpatia que lhes é impingida de saudosistas dos tempos de ditadura militar. No mês passado, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o general disse enxergar "certo radicalismo nas ideias, um radicalismo até meio boçal" entre os seguidores do companheiro de chapa.

Tudo bem, disse Bolsonaro. "O general tem a sua maneira de se expressar. Toda crítica que vem de qualquer um procuro assimilar para porventura corrigir.

Seu vice afirmou agora que não foi bem o que quis dizer. "Eu fui mal interpretado naquilo ali. O que eu disse é o seguinte, todo radicalismo é ruim, os brasileiros têm que estar unidos."

A convenção foi aberta com o Hino Nacional e uma oração ecumênica feita por um pastor evangélico, que celebrou: "Deus tem algo novo para o Brasil".

No auditório de um clube em São Paulo, para uma militância vestida com camisas verde-amarelas distribuídas, Mourão disse aceitar o posto com "espírito de cumprimento de missão e de dever". O quer quer: "Uma verdadeira democracia onde todos ascendam pelos próprios méritos, e não por esmolas".

Depois, à imprensa, disse não desejar manter o Bolsa Família para sempre. "Não podemos manter parcela significativa da população brasileira recebendo doações do governo."

Em seu discurso, Bolsonaro exaltou um Brasil que pertence "a todos nós, cidadãos de bem, que respeitam a família, sonham com o futuro e que querem afastar o comunismo".

"No momento deixo de ser capitão e o general deixa de ser general", disse. "Passamos a ser soldados do nosso Brasil."

Finda a convenção, Bolsonaro disse à repórter da Folha de S.Paulo que queria lhe pedir desculpas "pelo incidente" em Angra dos Reis, cometido num momento "de destempero". Falava, na verdade, de outra jornalista do jornal, Camila Mattoso, que lhe entrevistou em janeiro sobre o auxílio-moradia que recebe, mesmo tendo imóvel próprio em Brasília. Questionado sobre se usou o dinheiro do benefício para comprar seu apartamento, o deputado respondeu então: "Como eu estava solteiro naquela época, esse dinheiro de auxílio moradia eu usava pra comer gente".


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Fala sobre fechar STF não é motivo para alarde, diz filho de Bolsonaro
- Coligação de Ciro entra com ação contra Bolsonaro no TSE por escândalo do WhatsApp
- Datafolha: Eleitores de esquerda aumentam vantagem de Bolsonaro
- Bolsonaro afirma que não irá participar de debates no segundo turno
- Bolsonaro diz não ter controle sobre ação de empresas no WhatsApp
- Datafolha mostra Bolsonaro com 59% e Haddad com 41% dos votos válidos
- Parte do PT está "se lixando" para Haddad, diz Cid Gomes
- Bolsonaro tem 59% dos votos válidos e Haddad, 41%, aponta Ibope
- Qual o limite da loucura do meu adversário?, diz Haddad
- Paulo Guedes diz que é natural existir dúvidas sobre agenda de privatizações
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.