CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bolsonaro consegue apoio robusto nas ruas antes do segundo turno
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Medo da violência não pode definir voto em outubro, diz diretora de centro de estudos
Data Publicação:13/07/2018
Armar a população não é a solução para os problemas de segurança pública brasileiros, e o medo da violência não pode definir o voto dos eleitores, afirmou, nesta quarta-feira (11), Ilona Szabó, colunista da Folha de S.Paulo e cofundadora e diretora executiva do Instituto Igarapé.

A partir da análise de dados, o centro de estudos busca propor soluções para os problemas de segurança pública do Brasil e países do hemisfério sul.

Ilona conversou com a reportagem após participar de um debate que reuniu brasileiros e estrangeiros na Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em Nova York.

O tema discutido foi segurança no Brasil e como o tema tem dominado as discussões de pré-candidatos à Presidência faltando cerca de quatro meses para as eleições.

"Há um mito de que a arma é um instrumento de defesa. A arma é um instrumento de ataque", argumenta. Armar "cidadãos de bem" é uma das plataformas do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).

A popularidade do político, que lidera as pesquisas de intenção de voto em cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, fez com que outros presidenciáveis, como Geraldo Alckmin (PSDB), defendessem a flexibilização do porte de arma no país.

Mas, para Ilona, o foco da discussão está equivocado. "Temos que cobrar que o Estado nos proteja, e não tentar voltar para o Velho Oeste."

Para ela, falta embasamento para quem defende a liberação do porte de armas como solução para a violência.

"Onde funcionou o que estão propondo? No mundo e no Brasil, a maioria das pesquisas mostra a correlação entre o número de armas em circulação e o aumento de mortes por arma de fogo", diz.

Para combater esse discurso, o centro lança, em setembro, uma campanha com o mote "não deixe que o medo decida seu voto". A ideia é que conscientizar a população sobre todos os fatores envolvidos na segurança pública.

"É para chamar a atenção para as eleições, mas também para que a população tenha um melhor entendimento sobre esse tema. E fazer escolhas não baseadas em medo, que é o mais difícil nesse momento", diz.

Outro objetivo é combater a ideia de um "salvador da pátria" que traria soluções mágicas para o problema.

"Estamos criando ferramentas para a prevenção ser mais inteligente. No médio e longo prazo, é isso que vai mudar", defende a cofundadora do Igarapé.

Ilona também aposta na renovação política como forma de melhorar o debate sobre segurança pública.

"Vai demandar muitos outros ciclos eleitorais. A gente precisa ter a mudança no sistema político no país", diz.

Para ela, esse movimento começa em cargos como deputado estadual e federal, antes de chegar a esferas mais elevadas. "Mas tem uma nova geração querendo contribuir para esse debate. Se a gente não exigir nossos direitos e não ajudar nisso, não vai acontecer."


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Fala sobre fechar STF não é motivo para alarde, diz filho de Bolsonaro
- Coligação de Ciro entra com ação contra Bolsonaro no TSE por escândalo do WhatsApp
- Datafolha: Eleitores de esquerda aumentam vantagem de Bolsonaro
- Bolsonaro afirma que não irá participar de debates no segundo turno
- Bolsonaro diz não ter controle sobre ação de empresas no WhatsApp
- Datafolha mostra Bolsonaro com 59% e Haddad com 41% dos votos válidos
- Parte do PT está "se lixando" para Haddad, diz Cid Gomes
- Bolsonaro tem 59% dos votos válidos e Haddad, 41%, aponta Ibope
- Qual o limite da loucura do meu adversário?, diz Haddad
- Paulo Guedes diz que é natural existir dúvidas sobre agenda de privatizações
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.