CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
TERÇA-FEIRA, 11 DE DEZEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bumblebee
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Uma chapa PSDB-MDB não seria de centro
Data Publicação:06/05/2018
O noticiário informa que o PSDB, de Geraldo Alckmin, e o MDB, de Michel Temer, estão negociando uma chapa única para as eleições presidenciais de outubro. Não há nenhuma surpresa na eventual aliança. O PSDB surgiu do MDB, os dois foram aliados em diversos governos, inclusive no de FHC, e os tucanos deram apoio determinante a Temer após o impeachment de Dilma Rousseff, ocupando quatro ministérios simultaneamente. O que chama a atenção é o campo político que essa união reivindica, o de “centro”.

Em qualquer lugar do mundo, é difícil determinar onde os partidos se localizam em um espectro político. No Brasil, não é diferente. No livro Imobilismo em Movimento, Marcos Nobre, professor de Filosofia da Unicamp, coloca no debate uma tese que ajuda muito a explicar essa dificuldade.

De acordo com Nobre, o sistema brasileiro é regido por um fenômeno que ele chama de “peemedebismo”, cultura política nascida no PMDB, mas que hoje abarca todo o chamado “centrão”. Segundo o autor, ela é marcada, entre outras coisas, pelo governismo – o desejo de estar sempre perto do poder, independentemente de quem o exerce – e pela necessidade de se formar supermaiorias legislativas a garantir a “governabilidade”. Para Nobre, o PT e o PSDB são os polos desse sistema e a democracia brasileira não teria de fato uma oposição, mas sim posições de situação e oposição dentro de um mesmo campo situacionista.

A tese faz total sentido e ajuda a explicar porque muitos eleitores se consideram sem representação política e porque, para além da corrupção, uma prática “ecumênica” na política brasileira, classificam os partidos como “farinha do mesmo saco”.

Mesmo considerando tudo isso, é custoso crer que alguém de bom senso entenda uma eventual chapa PSDB-MDB como de “centro”.

Há duas bases para tal nomenclatura. A primeira é a ascensão de Jair Bolsonaro (PSL), o capitão da reserva do Exército que defende a tortura e a ditadura e ocupa a extrema-direita do espectro político, que até pouco tempo não tinha representação. A segunda é o fato de o ex-presidente Lula, identificado com a esquerda, estar em primeiro lugar nas pesquisas eleitorais, seguido justamente por Bolsonaro. Assim, teríamos Lula de um lado, Bolsonaro do outro e tudo o que vem entre eles seria “centro”, inclusive a aliança PSDB e MDB.

Não consta, no entanto, que PT e PSDB tenham modificado suas posições políticas diante da força eleitoral de Bolsonaro. Ambos continuam funcionando normalmente como antes, polarizando as disputas eleitorais e disputando de maneira ferrenha o apoio do MDB e de outros partidos do “centrão”, que podem render capilaridade nos estados e tempo de televisão para a campanha.

Em uma primeira análise, nomes como os de Marina Silva e Ciro Gomes, que já estiveram ao lado de tucanos e petistas em governos e campanhas ou como filiados, representariam com mais coerência uma candidatura de “centro”, por serem críticos dos dois polos e terem posições públicas contrárias a eles. Da mesma forma como o candidato do PT será o candidato de Lula e de seus governos, o candidato do PSDB será o nome da antiga oposição ao PT, que perdeu quatro eleições presidenciais seguidas.

Talvez aqui esteja a chave para entender a nomenclatura “centro” que PSDB e MDB reivindicam, auxiliados por determinados órgãos de imprensa. Trata-se de uma jogada de marketing, sempre decisivo nas campanhas eleitorais, para afastar a imagem da antiga oposição derrotada múltiplas vezes e adotar um novo manto, de serenidade, de “centro”, para tentar conquistar o eleitor a abandonar a extrema-direita de Bolsonaro e a suposta extrema-esquerda em que Lula estaria. Não parece fácil convencer o eleitorado dessas ideias.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Escolhida por Bolsonaro, nova ministra disse que " é o momento de a igreja governar"
- Bolsonaro diz que pode usar caneta Bic se houver denúncia robusta contra Onyx
- Trabalho no governo Bolsonaro terá funções divididas entre outros 3 ministérios, diz Onyx
- Bolsonaro diz que tem acordo com Moro para afastar ministro após denúncia robusta
- Não fiz campanha prometendo nada pra ninguém, diz Bolsonaro sobre Malta
- Delator da JBS diz que caixa dois para Onyx era para ‘manter bom relacionamento´
- Justiça Eleitoral recomenda reprovação de contas da campanha de Janaina Paschoal
- Bolsonaro anuncia filósofo colombiano como ministro da Educação
- Segunda Turma do STF desarquiva inquérito sobre Aécio Neves
- Ortopedista, deputado do DEM será ministro da Saúde de Bolsonaro
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.