CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 24 DE MAIO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Paralisação só acaba com fim do PIS/Cofins , diz presidente de associação de caminhoneiros
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
A poucos dias de deixar a prefeitura, Doria diz que fez mais que Haddad
Data Publicação:28/03/2018
A poucos dias de deixar a prefeitura de São Paulo para tentar conquistar o governo do estado, João Doria afirmou que fez mais em um ano e três meses que seu antecessor, o petista Fernando Haddad, em quatro anos.

“A população sabe disso. Eu tenho evitado fazer esse tipo de estigma até em respeito ao Fernando Haddad, mas fizemos de fato”, disparou o tucano, em entrevista à rádio Jovem Pan.

O prefeito citou obras de seu governo, disse que criou vagas em creches para “42 mil crianças”, embora não tenha conseguido zerar a fila, como prometera durante a campanha de 2016.

Doria enumerou ainda a criação de “17 CTAs” (centros temporários de acolhimento), acolhendo “10.300” moradores de rua, com emprego a “2 mil”, e elogiou a informatização dos documentos da Prefeitura e a criação de sistema para agendar consultas pelo celular, além da redução da fila para a realização exames de imagem no sistema de saúde.

“Programas de gestão e de eficiência foram nossa boa resposta. Agora, somos rápidos. Nós fazemos bem e fazemos rápido ainda. Essa é a diferença. O PT faz mal e é lento”, comparou.

Promessas

Doria prometeu, se eleito, dar “continuidade” ao trabalho de seu padrinho político, Geraldo Alckmin, mas com um toque de “modernidade”.

“Vamos dar continuidade ao trabalho que ele fez e, ainda mais, modernizar e ter uma política liberal para permitir que o setor privado ocupe o espaço onde o Estado hoje ainda é preponderante e não tem necessidade”, afirmou Doria, prometendo focar as ações do governo em “saúde, educação, habitação, segurança pública e assistência social”.

Ele também garantiu que seu vice, Bruno Covas, será um “grande prefeito” e uma “agradabilíssima surpresa” à frente da capital paulista até 2020.

Críticas à regra eleitoral

Criticando o vice-governador Márcio França, que tentará ficar no Palácio dos Bandeirantes com a caneta de governador nas mãos, Doria questionou a regra eleitoral que o obriga a deixar a prefeitura para disputar a eleição.

“Estranhamente o prefeito da cidade de São Paulo tem que deixar a Prefeitura para disputar a eleição, enquanto o candidato do governo mantém a candidatura no governo do Estado”, lamentou o prefeito. “Não é justo. Se eu tenho que deixar (o cargo), aliás o próprio Geraldo Alckmin também tem que deixar, o vice pode continuar e pode ser candidato? É uma anomalia legislação. Isso tem que ser corrigido para as próximas eleições”, argumentou.



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Bolsonaro não descarta Janaina Paschoal como vice em sua chapa
- TSE não pode tomar iniciativa de impedir Lula candidato
- Bolsonaro é o mais fácil de bater no 2ª turno, diz Ciro
- Bolsonaro diz que sua campanha é imbroxável
- Bolsonaro lidera seguido por Marina e Ciro, diz CNT
- Índice de brancos, nulos e indecisos é maior que o desempenho dos 4 primeiros colocados
- PSOL não é antissemita, diz líder do partido
- Ex-presidente defende Gleisi em carta e reafirma que é candidato
- Vereador nega envolvimento na morte de Marielle Franco e diz que notícia é factóide
- Uma chapa PSDB-MDB não seria de centro
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.