CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 24 DE SETEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
PF descarta depósitos suspeitos a agressor de Bolsonaro e reforça versão de que atuou sozinho
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Com 80%, Doria vence prévia tucana para o governo de SP
Data Publicação:19/03/2018
O prefeito de São Paulo, João Doria, deverá disputar o governo de São Paulo pelo PSDB nas eleições de outubro.

Nas prévias do partido realizadas neste domingo (18), ele teve 11.993 votos de filiados, equivalente a 80,02%, dispensando segundo turno.

Venceu confortavelmente seus adversários, portanto: o secretário estadual e deputado federal Floriano Pesaro teve 7,31% dos votos, o empresário Luiz Felipe D'Ávila conseguiu 6,59% e o suplente de senador José Aníbal, 5,98%.

Doria deve renunciar ao cargo de prefeito até 7 de abril, e só não será candidato ao Palácio dos Bandeirantes o governador Geraldo Alckmin se inviabilizar como postulante à Presidência. Nesse caso, Doria seria o plano B tucano ao Planalto.

O anúncio da vitória do prefeito foi comemorado na sede do diretório estadual do PSDB, na zona sul de São Paulo. O "tema da vitória", das corridas de Ayrton Senna na Fórmula 1, embalou os presentes.

Ao agradecer aos filiados, Doria tentou se vacinar contra a acusação de que está abandonando a prefeitura antes da metade do mandato, apesar de na campanha de 2016 ter prometido reiteradamente cumprir os quatro anos do mandato.

"São Paulo não perde um gestor. São Paulo ganha dois gestores. Um no governo e outro na prefeitura", disse, em referência a ele próprio e a seu vice, Bruno Covas, que deve herdar o cargo de prefeito da capital.

Apesar das acusações de irregularidades e suspeitas levantadas de fraude no processo, o tamanho da vitória do prefeito esvaziou as reclamações dos adversários.

Por volta das 18h, duas horas antes do anúncio oficial do resultado, tanto D'Ávila como Pesaro afirmaram que irão trabalhar pela união do partido em São Paulo, em torno de suas candidaturas ao estado e à Presidência.

"Precisamos dar esses milhões de votos ao Geraldo Alckmin. Isso só vai acontecer com o governo unido", afirmou.

Para Pesaro, a ampla maioria de votos em Doria reflete uma união no partido.

Ele disse que cisões e eventuais suspeitas de fraude nas prévias estão superadas diante da vantagem do prefeito paulistano.

Secretário estadual de Desenvolvimento Social, ele disse que irá disputar a reeleição para a Câmara e que sua manutenção na pasta caberá ao vice-governador Márcio França (PSB), quando o atual vice assumir o Bandeirantes, após a esperada renúncia de Alckmin para disputar a Presidência.

elogios

Pela manhã, Doria e Alckmin se encontraram na inauguração de um conjunto habitacional no Jaraguá, zona norte de São Paulo.

O governador, que tinha se mantido neutro em todo o processo de prévias, elogiou Doria. "Quero agradecer o João Doria, nosso prefeito da capital, o João trabalhador", disse Alckmin. "Ele acorda cedo e dorme tarde."

Já Doria elogiou entusiasticamente Alckmin. "Aqui de São Paulo sairá o maior exemplo de força e determinação para que Geraldo Alckmin possa cumprir essa trajetória no plano federal, com o mesmo brilho, competência e honestidade que cumpriu aqui no estado de São Paulo", discursou Doria.

"Juntos, quero deixar claro mais uma vez, juntos, na cidade de São Paulo, no estado de São Paulo, nós todos, não apenas tucanos, os brasileiros de São Paulo, os 43 milhões de brasileiros de São Paulo vão votar Geraldo Alckmin para a Presidência."

A jornalistas, o governador paulista não declarou apoio a nenhum dos candidatos. "Temos quatro ótimos nomes, preparados. Vamos aguardar as prévias, mas quem for escolhido tem toda a legitimidade para poder participar do processo eleitoral e fazer um bom trabalho."

Alckmin minimizou o impacto do palanque duplo em São Paulo, com as candidaturas do PSDB e a de França.

"No Brasil inteiro, em todas as eleições [para o] Executivo, vamos ter uma fragmentação partidária. Isso é fruto do modelo político que nós ainda temos", afirmou.



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Bolsonaro cogita divulgar carta para acalmar mercado e defender pacificação
- DataPoder: Haddad e Bolsonaro tecnicamente empatados
- Após ataque a CPMF, Alckmin diz que Bolsonaro privilegia ricos com novo IR
- Pesquisa XP: Bolsonaro lidera e Haddad tem salto para 2º lugar
- PSB pede que STF libere votação de quem teve título cancelado por não fazer biometria
- Ibope: Bolsonaro lidera e Haddad sobe 11 pontos
- Dória usa imagens de creches dos EUA e da Rússia como se fossem de SP
- Parentes de Alckmin ganharam R$ 3,8 milhões com decretos do ex-governador
- Doria tenta colar Skaf a Temer em debate na TV Gazeta
- “A Globo também é investigada”, diz Haddad no JN
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.