CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 23 DE JUNHO DE 2017
ULTIMA NOTÍCIA:
Avião americano derruba drone na Síria e desperta ira de Moscou
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Lula não desiste da blindagem
Data Publicação:01/02/2017
Na entrevista que ofereceu ao jornal O Estado de S.Paulo, o presidente do PT, Rui Falcão, não ficou apenas na promessa de um processo interno que pode até resultar em expulsão dos petistas envolvidos na Operação Lava Jato, promessa esta que, como comentamos dias atrás, provavelmente não resultará em punição nenhuma. O dirigente partidário também reafirmou que o ex-presidente Lula será o candidato petista à Presidência em 2018, em linha com declarações recentes segundo as quais o partido “não tem plano B”. Mas Falcão ofereceu um raciocínio peculiar ao tratar da candidatura de Lula, réu em cinco ações penais, três delas no âmbito da Operação Lava Jato.

Quando perguntado sobre a possibilidade de Lula estar inelegível em 2018, Falcão se saiu com a seguinte pérola: “A melhor maneira de tentar barrar essa interdição é colocar publicamente para a população a pré-candidatura do Lula com um programa de reconstrução da economia nacional. Porque assim ficará muito claro para a população qual o objetivo dessa perseguição. Aí não será mais um eventual pretendente. Será a interdição de alguém que se coloca publicamente como candidato”. Deixando de lado a piada sobre a “reconstrução da economia nacional”, pois foi o PT que a destruiu, o que Falcão está dizendo é que lançar a pré-candidatura de Lula seria um meio de tirá-lo das mãos de Sergio Moro e dos outros juízes que já aceitaram denúncias contra o ex-presidente, pois qualquer condenação futura seria não uma avaliação sobre os supostos crimes cometidos, mas um ato de perseguição política destinado única e exclusivamente a impedir que Lula volte ao Planalto.

Em resumo, trata-se de blindar Lula, assim como tentou fazer Dilma Rousseff no episódio em que ela nomeou seu antecessor ministro-chefe da Casa Civil, posição que lhe garantiria foro privilegiado. Agora, não se trataria de uma blindagem formal, como a concedida por um cargo de ministro, mas de uma proteção informal, da opinião pública, que, na mente de Falcão, se voltaria contra as operações Lava Jato, Zelotes e Janus por estarem condenando alguém que manifestou a intenção de se tornar presidente.
É surreal que alguém imagine que o curso normal de uma investigação e julgamento na esfera criminal seja alterado pelo simples fato de o investigado ou réu manifestar a intenção de se lançar candidato ao Planalto em 2018. Como se os processos devessem parar graças a um anúncio de pré-candidatura, ou como se o fato de um pré-candidato ser condenado tivesse necessariamente ligação com o panorama eleitoral, e não com os atos cometidos por ele.

Esta é apenas mais uma tentativa de fazer de Lula um “intocável”, alguém que está acima da lei e não pode ser tratado como os demais brasileiros. O próprio ex-presidente já manifestou essa ideia em várias ocasiões – não com essas palavras, obviamente, mas deixando a entender que nenhuma das medidas judiciais tomadas contra ele ou membros de sua família tem qualquer justificativa e que, se a “alma mais honesta deste país” está sendo levada à Justiça – prova, aliás, de que o choro não tem servido para livrar o ex-presidente –, só pode haver intenções mesquinhas da parte dos que o acusam, motivações que nada têm a ver com o objeto das ações penais.

É de se perguntar quem Rui Falcão, Lula e o PT esperam convencer com essa lorota. Ela pode servir para a militância, que já nem prestigia Lula como antigamente – a vaquinha para ajudar a pagar a defesa do ex-presidente atingiu pouco mais da metade da meta. Mas certamente não convence a população, que em outubro derrubou o PT e, em São Bernardo do Campo, impôs uma derrota pessoal a Lula negando a um de seus filhos a reeleição como vereador. Em 2018, se Lula chegar até lá vivo politicamente, não deverá ser diferente.


Fonte:gazetadopovo.com.br



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Justiça rejeita queixa-crime de Temer contra Joesley Batista por calúnia
- Da prisão, Cunha diz que discutiu com Joesley e Lula sobre impeachment de Dilma
- Defesa de Palocci relaciona Mantega a pagamento a marqueteiros
- Presidente tem de provar inocência, diz Tasso
- Base avalia que Temer não tem condições de continuar e já pensa em sucessão
- Dilma sugeriu mudar conta da Suíça para Cingapura, diz marqueteira do PT
- Lula diz a Moro que se for absolvido juiz tem que estar preparado para sofrer ataques
- 20 mil militantes do MST devem acompanhar depoimento de Lula
- Votação da reforma da Previdência é adiada
- Michel Temer sanciona leis em favor das mulheres
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.