CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 25 DE MARÇO DE 2019
ULTIMA NOTÍCIA:
Supremo sinaliza maior correção para precatórios
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
Aécio e Bolsonaro são os candidatos a presidente preferidos pelos manifestantes
Data Publicação:17/03/2016
O senador Aécio Neves (PSDB) e o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) são os candidatos a presidente preferidos dos manifestantes contrários ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT) que estiveram no maior protesto do país no último domingo (13) – o de São Paulo.

Pesquisa realizada pela Paraná Pesquisas durante as manifestações na Avenida Paulista no domingo (13) mostra que Aécio seria o preferido de 29% dos eleitores, enquanto Bolsonaro levaria 16% dos votos; 20,5% dos entrevistados declararam que não votariam em nenhum candidato. O ex-presidente Lula receberia apenas 2% dos votos. Veja todos os números no gráfico.

Na avaliação de Murilo Hidalgo, presidente da Paraná Pesquisas, o resultado não é exatamente positivo para Aécio Neves e o PSDB. Isso porque, ele lembra, em 2014 Aécio seguiu para o segundo turno das eleições presidenciais com 34,8% dos votos.

“Com tudo o que tem acontecido no cenário político, a pesquisa mostra que o cenário está péssimo para a Dilma, mas não tão bom para a oposição como esteve um dia. Os principais nomes do PSDB foram citados em investigações recentes, se o partido não passar por uma mudança, pode não se sair tão bem quanto em outras épocas”, avalia.

O levantamento também apurou que, se Aécio não estivesse entre os candidatos à presidência pelo PSDB, a preferência do eleitorado brasileiro ficaria dividida entre o governador de São Paulo, o também tucano Geraldo Alckmin, que ganharia 27% dos votos; Bolsonaro, com 15% e Marina Silva (Rede Sustentabilidade), com 12%. Nessa situação, o percentual de eleitores que não votariam em nenhum candidato seria de 22%. Caso o PSDB disputasse as eleições presidenciais hoje com José Serra, o percentual de eleitores a confiar seu voto ao candidato tucano seria menor (22%); Bolsonaro e Marina Silva permaneceriam em segundo e terceiro lugar, respectivamente, e 24% dos eleitores não votariam em nenhum candidato.

Bolsonaro representa irritação do brasileiro Na avaliação de Hidalgo, o desempenho de Bolsonaro em uma eleição presidencial hipotética é surpreendente. Ele não acredita que o polêmico deputado federal tenha chances reais de concorrer à presidência, mas destaca que a aprovação popular é representativa do que o eleitorado brasileiro deseja.

60% dos manifestantes votaram em Aécio em 2014 De acordo com o apurado pela pesquisa, 61,9% dos entrevistados durante as manifestações em São Paulo votaram em Aécio Neves no segundo turno das eleições presidenciais de 2014. Já a presidente Dilma Rousseff angariou 10,9% dos votos de quem foi às ruas protestar nesse domingo e 23,6% votou em branco, anulou, justificou ou ainda não votava no último pleito. A identificação com o Partido dos Trabalhadores entre os manifestantes também é baixa. Segundo a pesquisa, nos últimos dez anos apenas 34,5% votou em algum candidato do PT.

“Bolsonaro é hoje um personagem que retrata bem o que muitos brasileiros pensam, mas poucos têm coragem de falar. No momento, ele é o político que mais parece verdadeiro no que propõe. Desde o início é extremamente contrário ao governo federal e não mede palavras. O brasileiro que hoje está cansado de denúncias, irritado com a corrupção, agora se identifica com ele. Mesmo sem Dilma, Brasil precisará de alguns anos para melhorar A confiança de que Dilma conseguirá concluir seu mandato se mostrou baixa, conforme revelou a pesquisa. Ao todo, 73% dos brasileiros apostam que a presidente não conseguirá chegar ao fim de seu mandato: parte acredita que o afastamento se dará pelo Congresso Nacional e parte pelo Tribunal Superior Eleitoral. Apenas 19,7% acham que Dilma será presidente até 2018.



Um possível afastamento de Dilma, no entanto, não eleva as expectativas do brasileiro sobre a retomada do desenvolvimento do Brasil. A maioria dos entrevistados, 50,9%, acredita que o país precisará de entre 2 a 5 anos para melhorar. Entre os mais otimistas, 19% confiam em uma melhora visível em até um ano; já os mais pessimistas (10%) apostam que o país levará mais de dez anos para se recuperar. Poucos, apenas 3,5%, acham que o afastamento de Dilma não resultará em melhorias. A Paraná Pesquisas ainda perguntou aos manifestantes o que acham da atuação da presidente: 90,3% responderam considerar o desempenho de Dilma ruim ou péssimo; 5,1% avalia como regular e apenas 4,2% dos entrevistados disse achar o governo atual bom ou ótimo.

em quanto tempo o país vai melhorar? 19% Até 1 ano

25% De 2 a 3 anos

26% De 4 a 5 anos

14% De 6 a 10 anos

11% Mais de 10 anos

4% Não melhorará

2% Não sabe

Avaliação da atuação do juiz Sergio Moro 56% Muito coerente 35% Coerente 5% Incoerente 3% Muito incoerente 2% Não sabe Avaliação da oposição no Congresso em relação às denúncias ao governo federal

42% Omissa 38% Branda/passiva 11% Coerente 6% Atuante 4% Não sab



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Escolhida por Bolsonaro, nova ministra disse que " é o momento de a igreja governar"
- Bolsonaro diz que pode usar caneta Bic se houver denúncia robusta contra Onyx
- Trabalho no governo Bolsonaro terá funções divididas entre outros 3 ministérios, diz Onyx
- Bolsonaro diz que tem acordo com Moro para afastar ministro após denúncia robusta
- Não fiz campanha prometendo nada pra ninguém, diz Bolsonaro sobre Malta
- Delator da JBS diz que caixa dois para Onyx era para ‘manter bom relacionamento´
- Justiça Eleitoral recomenda reprovação de contas da campanha de Janaina Paschoal
- Bolsonaro anuncia filósofo colombiano como ministro da Educação
- Segunda Turma do STF desarquiva inquérito sobre Aécio Neves
- Ortopedista, deputado do DEM será ministro da Saúde de Bolsonaro
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.