CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
TERÇA-FEIRA, 11 DE DEZEMBRO DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Bumblebee
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Politica
  Politica
 
CPI mista ouvirá Paulo Roberto Costa na próxima quarta-feira
Data Publicação:10/09/2014

Diante da divulgação de informações relacionadas ao processo de delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, a CPI mista que investiga denúncias de irregularidades na estatal decidiu convocá-lo para prestar depoimento. Ele será ouvido na próxima quarta-feira (17).

A determinação foi anunciada nesta quarta-feira (10) pelo presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), após reunião de líderes em seu gabinete.

- Nós queremos ouvi-lo. Durante esse processo, a nossa assessoria e a diretoria da comissão vão tomar as providências cabíveis para o translado do senhor Paulo Roberto – anunciou Vital.

A convocação de Costa pela CPI mista já tinha sido aprovada antes do processo de delação premiada. O ex-diretor da Petrobras depôs à CPI exclusiva do Senado em junho. À época, porém, ele afirmou que não tinha envolvimento em qualquer fraude em contratos e alegou desconhecer as atividades de Alberto Youssef como doleiro. O ex-executivo, que havia sido solto por decisão do ministro do STF Teori Zavascki, voltaria a ser preso no dia seguinte ao depoimento.

Além da convocação de Paulo Roberto Costa, a CPI mista elaborou um ofício para requerer à Justiça Federal no Paraná acesso a todas as informações referentes aos depoimentos de Costa, mesmo com o processo de delação premiada ainda em curso.

- A CPI, com seus poderes constitucionais, terá a responsabilidade de receber e guardar os documentos apresentados. Já determinamos a elaboração de uma petição para o senhor ministro Teori Zavascki [relator do processo no STF] para que esses documentos coletados na delação premiada  possam vir automaticamente à comissão. Este é o nosso direito. A CPI quer ser parte nesse processo. A delação está em curso e temos insistindo para o que já foi coletado possa vir à comissão  – explicou Vital.

Questionado sobre o fato de o processo correr em sigilo de justiça, o que impediria o acesso a essas informações, Vital respondeu:

- A CPI não é qualquer pessoa. Ela tem os poderes constitucionais – reiterou.

Reunião

Outra providência tomada pelos parlamentares foi a redação de uma petição solicitando uma reunião com Teori Zavasckipara discutir o compartilhamento de informações sobre o processo.

- Estou insistindo muito com essa audiência para discutirmos e afinarmos os procedimentos. Vamos integrar as ações do Supremo com a CPI – afirmou Vital.

Para o senador José Agripinio (DEM-RN), que participou da reunião, marcar o depoimento antes mesmo da chegada das informações da delação premiada não atrapalhará o trabalho da CPI.

- Não dá para fazer compatibilizações. Temos que tomar iniciativas como marcar a vinda dele. Não tem que ficar vinculando uma coisa com a outra – disse o líder do DEM no Senado.

Políticos

Os participantes da reunião, que teve presença de muitos líderes da Câmara dos Deputados, ressaltaram que não há elementos para discutir a situação de políticos que teriam sido mencionados por Paulo Roberto Costa.

— Não há denúncia, há [apenas] menção. Seria uma precipitação da nossa parte — comentou José Agripino, líder do DEM e membro suplente da CPI mista.

O deputado Fernando Francischini (SD-PR) também defendeu cautela.

- O importante agora é a CPI debater tudo. Precisamos ter a força e a firmeza de investigar todos os nomes citados e o cuidado de verificar se o Ministério Público comprovou o envolvimento de algum – disse.




Fonte:ag senado



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Escolhida por Bolsonaro, nova ministra disse que " é o momento de a igreja governar"
- Bolsonaro diz que pode usar caneta Bic se houver denúncia robusta contra Onyx
- Trabalho no governo Bolsonaro terá funções divididas entre outros 3 ministérios, diz Onyx
- Bolsonaro diz que tem acordo com Moro para afastar ministro após denúncia robusta
- Não fiz campanha prometendo nada pra ninguém, diz Bolsonaro sobre Malta
- Delator da JBS diz que caixa dois para Onyx era para ‘manter bom relacionamento´
- Justiça Eleitoral recomenda reprovação de contas da campanha de Janaina Paschoal
- Bolsonaro anuncia filósofo colombiano como ministro da Educação
- Segunda Turma do STF desarquiva inquérito sobre Aécio Neves
- Ortopedista, deputado do DEM será ministro da Saúde de Bolsonaro
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.