CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEGUNDA-FEIRA, 18 DE MARÇO DE 2019
ULTIMA NOTÍCIA:
Seu filho não come? Coach de mães ensina como fazer isso em palestra online e gratuita
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
Guaidó chega a Bogotá para aumentar pressão contra Maduro na Venezuela
Data Publicação:26/02/2019
O opositor Juan Guaidó chegou neste domingo (24) a Bogotá para intensificar a pressão contra o governo de Nicolás Maduro, após a fracassada operação de envio de ajuda à Venezuela, cuja repressão resultou na morte de duas pessoas e centenas de feridos nas fronteiras do país com Brasil e Colômbia, provocando o repúdio internacional.

Guaidó, há um mês autoproclamado presidente interino da Venezuela e apoiado por 50 países, chegou à capital colombiana para participar da reunião do Grupo de Lima, na segunda-feira, que contará com a presença do vice-presidente americano, Mike Pence.

"Hoje, a Venezuela se levanta novamente com uma crise que poderia ter sido aliviada no dia de ontem", disse, ao chegar a Bogotá.

Após a fracassada operação com que pretendia levar a ajuda internacional doada pelos Estados Unidos e seus aliados para mitigar a pior crise na história moderna da Venezuela, Guaidó pediu à comunidade internacional para deixar "em aberto todas as opções para conseguir a libertação".

E neste domingo, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, advertiu que os dias de Maduro "estão contados".

O líder opositor antecipou que discutirá em Bogotá com os chanceleres das 14 nações americanas do grupo "possíveis ações diplomáticas" contra Maduro.

Será a primeira vez que o bloco, criado em 2017 para promover uma saída para a crise venezuelana, vai deliberar diretamente com Guaidó.

A aliança de 13 Estados latino-americanos e o Canadá reuniu-se pela última vez em 4 de fevereiro, em Ottawa. Na ocasião, 11 países pediram uma mudança pacífica de governo, pediram aos militares pare reconhecerem Guaidó e permitir a entrada de ajuda.

"O legítimo governo da Venezuela se integra formalmente ao Grupo de Lima", destacou o presidente colombiano, Iván Duque.



- Novos confrontos -



Duque visitou neste domingo as pontes internacionais Simón Bolívar e Francisco de Paula Santander, epicentros dos violentos enfrentamentos de sábado.

Dezenas de venezuelanos que tinham cruzado a fronteira para participar da caravana de passagem da ajuda humanitária ficaram bloqueados ali.

Do lado colombiano, era visível a forte presença policial, com conflitos constantes entre manifestantes e guardas venezuelanos, embora em menor escala que na véspera.

Nicolasa Gil chegou a Cúcuta vinda de Mérida. Frágil e fraca, esta mulher de 71 anos, passou a noite em uma rua próxima à ponte Francisco de Paula Santander. "Me assusta passar para o meu país porque estamos mais seguros aqui do que lá", disse à AFP.

Dentro da Venezuela, em povoados fronteiriços com a Colômbia e o Brasil, onde na véspera foram registrados distúrbios, também foram registrados conflitos entre manifestantes encapuzados e forças estatais, enquanto grupos armados irregulares semeavam o medo.

Maduro se opõe à entrada da ajuda por considerá-la o início de uma intervenção militar americana. O presidente Donald Trump disse que não descarta nenhuma opção na Venezuela.

Os enfrentamentos entre manifestantes e forças chavistas deixaram no sábado 285 feridos na Colômbia, dos quais 255 venezuelanos, e pelo menos dois mortos no estado de Bolívar, limítrofe com o Brasil. Além disso, dois caminhões carregados com insumos foram incendiados.

Na sexta-feira, uma mulher havia morrido em confrontos nesta região.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, se declarou "comovido" neste domingo com a morte de civis e pediu que se evite a violência.

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachellet, por sua vez, condenou "o uso excessivo da força contra manifestantes desarmados". Estados Unidos, União Europeia e vários países latino-americanos também rejeitaram estes ataques.

O governo de Maduro, apoiado por Moscou e Havana, conseguiu fazer recuar a operação que pretendia fazer entrar a ajuda na Venezuela.

Asfixiadas pela escassez de comida e remédios e pela hiperinflação, 2,7 milhões de venezuelanos emigraram desde 2015, segundo a ONU.

- Chavismo canta vitória -

Acompanhado por generais leais a Maduro, o poderoso líder chavista Diosdado Cabello considerou uma "vitória" que a assistência não tenha entrado.

"Não passou nenhum caminhãozinho de ajuda", disse neste domingo, durante um ato em San Antonio del Táchira, limítrofe com a Colômbia. "Agimos de forma muito inteligente, segurando e afrouxando, até chegar à vitória", manifestou.

Com o fracasso da entrada da ajuda, Guaidó saiu enfraquecido, afirmam analistas, apesar de em meio aos confrontos, um total de 156 militares venezuelanos terem desertado e passado para o lado colombiano da fronteira desde o sábado. Três sargentos venezuelanos também pediram refúgio no Brasil.

"Guaidó sai enfraquecido" porque depois do ocorrido "não está muito claro" que o apoio que ele tem em sua terra "seja maciço", afirmou o internacionalista Rafael Piñeros.

O opositor disse ter um milhão de voluntários dispostos a transportar e zelar pela ajuda, mas a participação foi muito menor.

Guaidó cruzou a fronteira com a Colômbia na sexta-feira, apesar de uma restrição da Justiça ligada ao chavismo que o impedia de deixar o país, e não se sabe como ele vai vontar.

Segundo Duque, ele retornará à Venezuela: "Como o presidente da Venezuela não vai voltar ao seu país?".

A tentativa de transporte da ajuda a partir da Colômbia levou Maduro a romper relações com Bogotá, praticamente congeladas desde 2017. A oposição também tentou levou ajuda a partir de Brasil, Porto Rico e Curaçao.

Um grupo de diplomatas colombianos dos consulados de Mérida e Valencia retornou neste domingo ao seu país, junto com seus familiares, e carregando as próprias malas, após cruzar a pé a ponte binacional Simón Bolívar.

O governo colombiano determinou o fechamento das quatro passagens fronteiriças que ligam o departamento de Norte de Santander com a Venezuela durante 48 horas para avaliar os danos provocados pelos distúrbios.


Fonte:yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- EUA querem trabalhar com europeus em novo acordo sobre Irã, diz Pompeo
- Garoto acorda do coma pouco antes de aparelhos serem desligados: Não há outra explicação que não seja Deus
- Atentados em igrejas deixam 9 mortos e ao menos 40 feridos na Indonésia
- Irã faz giro diplomático para salvar acordo nuclear
- Israel fecha único ponto de entrada de mercadorias a Gaza
- Pyongyang vai desmantelar instalações nucleares
- Morte de sete pessoas é pior chacina da Austrália em 22 anos
- Cientista australiano de 104 anos morre na Suíça por suicídio assistido
- Os principais ataques israelenses na Síria desde 2013
- Líder supremo do Irã diz que Trump será comido por cobras e formigas
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.