CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SEXTA-FEIRA, 20 DE ABRIL DE 2018
ULTIMA NOTÍCIA:
Lula recebe visita de parentes, mas Nobel e teólogo são barrados
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Mundo
  Mundo
 
ONU pede que Colômbia acelere acordo de paz
Data Publicação:19/04/2018
Em meio aos novos desafios para o processo de paz na Colômbia, o chefe da missão da ONU pediu nesta quinta-feira ao país andino que acelere a reintegração de ex-combatentes das FARC à vida civil antes do final do governo de Manuel Santos.

"O último par de semanas também trouxe novos desafios para o processo de paz", admitiu Jean Arnault, chefe da missão da ONU na Colômbia, referindo-se à prisão do ex-negociador de paz das FARC Jesus Santrich em 9 de Abril.

A prisão de Santrich, acusado de conspirar para enviar 10 toneladas de drogas para os Estados Unidos, que busca sua extradição, foi criticada duramente por seu partido, a nova Força Alternativa Revolucionária do Comum (FARC), que agrupa todos os ex-rebeldes, e colocou em xeque o pacto de paz entre o governo de Juan Manuel Santos e a maior guerrilha do país assinado no final de 2016.

"A prisão de um dos líderes das FARC por porte de drogas reverberou em um país que continua dividido sobre o processo de paz", disse Arnault em seu relatório ao Conselho de Segurança, na presença do vice-presidente colombiano Oscar Naranjo e da chanceler Maria Angela Holguín.

Mas se mostrou otimista e destacou os "pedidos de calma e declarações firmes para continuar no caminho da paz" da liderança das FARC, incluindo do seu presidente Timoleon Jimenez.

Acima de tudo, Arnault sublinhou "a necessidade de um impulso à reintegração de ex-guerrilheiros antes do fim do mandato do governo" após as eleições presidenciais de 27 de maio.

Em 26 de março, uma frente dissidente das FARC sequestrou dois jornalistas do jornal equatoriano El Comercio e seu motorista enquanto trabalhavam na fronteira com a Colômbia e anunciou seu assassinato. Seus corpos ainda não foram encontrados.

Desde janeiro, os ataques deste grupo rebelde dissidente deixaram no Equador um total de sete mortos, dezenas de feridos e dois sequestrados.

O país nunca foi atingido com tanta crueldade por causa da violência derivada do narcotráfico na Colômbia.

Neste contexto, o Equador decidiu se afastar do processo de paz com o ELN e não será mais sede dos diálogos de paz que abrigava desde fevereiro de 2017 com esta guerrilha,

O Equador anunciou que deixará de sediar os diálogos de paz entre o governo de Santos e outra guerrilha colombiana ainda ativa, o ELN, que poria fim ao último conflito armado na América Latina.

"Colômbia compreende as razões pelas quais o presidente Lenín Moreno decidiu se afastar de sua condição de garantidor e anfitrião destas negociações", declarou a a chanceler colombiana, María Angela Holguín, em alusão aos ataques e aos sequestros ocorridos recentemente na fronteira entre os dois países.

Após agradecer ao povo equatoriano, Holguín informou que seu governo levará a mesa de negociações com o Exército de Libertação Nacional (ELN) para uma das "sedes alternativas", no Brasil, Chile, Cuba, Noruega ou Venezuela.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Número de empregos em seu nível mais alto em três anos nos EUA
- Obama é pessimista sobre mudança de Putin em relação à Ucrânia
- No leito de morte, filho pede à mãe que doe seus brinquedos para crianças africanas carentes
- "Por que você está chorando", questiona filha em seu leito de morte ao pai
- Funeral de Roberto Bolaños reuniu 40 mil pessoas no Estádio Azteca, no México
- Vilarejo do Nepal sacrifica animais apesar dos protestos
- Ataque a mesquita na Nigéria deixa ao menos 35 mortos e vários feridos
- México encontra 11 corpos decapitados em local onde estudantes desapareceram
- Líder iraniano garante que Ocidente não dobrará o Irã
- Rebeldes pedem envio de capacetes azuis, principalmente russos, à Ucrânia
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Folha do Brasil - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2014.